Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Dicionário de Filosofia

Valor
Axiologia, ou teoria do valor é a abordagem filosófica do valor em sentido amplo. Sua importância reside principalmente no novo e mais extenso significado que atribuiu ao termo valor e na unidade que trouxe ao estudo de questões econômicas, éticas, estéticas e lógicas que eram tradicionalmente consideradas em separado.
 

Variação
a) Ação ou efeito de variar, de tornar vário, de mudar, de alterar. b) Diz-se da inconstância, da mudança constante, da modificação. c) Na filosofia é aplicado para indicar modificações de uma tendência. É empregado em vários sentidos, como variações concomitantes.
 

Vazio
O vácuo, no qual nada há. É a ausência total de corporeidade, conceituada como espaço sem qualquer natureza. É não-ente e privação. Falta-lhe toda corporeidade. Não pode ser causa de qualquer coisa.
 

Vórtice
Conceito fundamental da física antiga. Anaxágoras considerava o Vórtice como o meio de que se vale o intelecto divino para ordenar o mundo. Demócrito considerava-o como "a causa da geração de todas as coisas" e identificava-o com a necessidade. Epicuro retomava o mesmo conceito, que na Idade Moderna ainda foi utilizado por Descartes
 

Verborréia
Diz-se da fluência desordenada de palavras e frases sem a preocupação ou sem sentido ou de sentido superficial e comum. O termo é usado pejorativamente para os oradores ou tribunos, que empregam palavras em jorro, sem propriamente dizerem nada.
 

Verdade
Na Filosofia Clínica, há dois tipos de verdade: subjetiva e consensual. A verdade subjetiva é aquela que habita a pessoa que está de acordo com a sua singularidade, sua Estrutura de Pensamento. Quanto à verdade consensual, é aquela estabelecida em conjunto pelas pessoas.
 

Verificação
a) Verificar é examinar, por meio de uma confrontação com os fatos, se alguma coisa é verdadeira ou falsa. b) É o controle de uma hipótese, de uma tese. c) É o exame de alguma coisa para verificar se é como deveria ser. d) É fazer reconhecer alguma coisa como verdadeira. e) Verificação é ação ou o efeito de verificar, o que resulta da ação de verificar, que se dirige a um fato particular, enquanto a demonstração apresenta um caráter geral. É o que distingue uma da outra.
 

Verossímil
O que é semelhante à verdade, sem ter a pretensão de ser verdadeiro. Portanto, uma narrativa, seja um romance ou uma tragédia, pode ser Verossímil sem ser minimamente provável, sem que exista qualquer probabilidade de que os fatos mencionados se tenham verificado ou venham a verificar-se. Nesse sentido, foi constante o emprego do conceito de Verossimilhança na estética, a partir de Aristóteles. Um acontecimento humano imaginado é Verossímil se for considerado compatível com o comportamento comum dos homens ou encontrar explicações ou respaldo nesse comportamento.
 

Virtude
Chamam-se virtudes todos os hábitos constantes que levam o homem para o bem, quer como indivíduo, quer como espécie, quer pessoalmente, quer coletivamente. É a potência racional que inclina o homem à prática de operações honestas, tendentes para o bem. Pode-se assim falar de virtudes morais e virtudes intelectuais. As que tendem para o bem honesto são morais, as que tendem para a verdade são as intelectuais. A caridade é uma virtude moral. As virtudes intelectuais, também chamadas especulativas, são a sabedoria e a ciência.
 

Vital
a) O que concerne ou constitui a vida. b) O que é essencial à vida de alguma coisa. Uma condição sem a qual a coisa perece ou deperece. c) Élan vital - Expressão francesa que significa ímpeto vital. Segundo Bergson "o élan (ímpeto) original da vida, que passa de uma geração de germes à geração seguinte de germes, por intermédio de organismos desenvolvidos, que formam entre os termos um traço de união".
 

 
 

Entrevistas

Novidades

 


Receber
Parar de receber

Livros

Gostou do site?

Seu nome:

Nome do seu amigo:

E-mail do seu amigo:

Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.