Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Dicionário de Filosofia

Dado
O ponto de partida ou a base de uma indagação qualquer, o elemento, o antecedente, a situação da qual se parte ou que serve de respaldo para formular um problema, fazer uma inferência, aventar uma hipótese. O Dado tem, portanto, caráter funcional: o que se assume como Dado para certo tipo ou ordem de indagação pode ser, por sua vez, tomado como problema para outro tipo ou ordem de pesquisa.
 

Darwinismo
Doutrina da evolução biológica, segundo os fundamentos enunciados por Darwin: 1 - Existência de pequenas variações orgânicas, que se verificariam nos seres vivos sob a influência das condições ambientais, das quais algumas (pela lei da probabilidade) seriam biologicamente vantajosas; 2 - Seleção natural, graças à qual sobreviveriam, na luta pela vida, os indivíduos nos quais se manifestassem as variações orgânicas mais favoráveis. Também são partes integrantes do Darwinismo a hipótese de que o homem descende de animais inferiores e o agnostícismo diante dos problemas metafísicos.
 

Débito
Para Kant, o Débito originário é o pecado original ou mal radical: o homem, por ter começado com o mal, contraiu um Débito que já não lhe cabe liquidar e que é intransmissível por ser a mais pessoal de todas as obrigações. Heidegger tirou essa noção da esfera moral e estudou-a na esfera ontológica. Considerou o estar em Débito como uma das manifestações do estar em falta.
 

Díade
Segundo os pitagóricos, é o princípio da diversidade e da desigualdade, de tudo o que é divisível e mutável e ora está de um modo, ora de outro. Contrapõe-se à mônada, que é o princípio da unidade, do ser idêntico e igual.
 

Díspar
Cícero chamou de Díspar o que está em oposição contraditória com outra coisa, como por exemplo não saber em relação a saber. Boécio restringiu esse termo aos opostos contraditórios que, por serem muito diferentes, não têm entre si nenhuma contrariedade, como terra e roupa.
 

Dúvida
l - Um estado subjetivo de incerteza, ou seja, uma crença ou opinião não suficientemente determinadas, ou a hesitação em escolher entre a asserção da afirmação e a asserção da negação; 2 - Uma situação objetiva de indeterminação ou a problematicidade de uma situação: seu caráter de indecisão em relação ao possível êxito ou à possível solução.
 

Deísmo
Doutrina de uma religião natural ou racional não fundada na revelação histórica, mas na manifestação natural da divindade à razão do homem. As teses fundamentais do Deísmo podem ser descritas da seguinte forma: 1 - A religião não contém e não pode conter nada de irracional; 2 - A verdade da religião revela-se, portanto, à própria razão, e a revelação histórica é supérflua; 3 - As crenças da religião natural são poucas e simples: existência de Deus, criação e governo divino do mundo, retribuição do mal e do bem em vida futura.
 

Decadência
Para Heidegger é o estado de queda da existência humana no nível da banalidade cotidiana. Isso, porém, não supõe um estado original superior nem é um estado negativo e provisório que possa ser um dia eliminado. O estado de Decadência é aquele em que a existência se alheia de si, esconde de si mesma sua possibilidade própria (que é a da morte) e entrega-se ao modo de ser impessoal que é caracterizado pela tagarelice, pela curiosidade e pelo equívoco.
 

Decisão
Decisão corresponde ao que Aristóteles e os escolásticos chamavam de escolha, ou seja, o momento conclusivo da deliberação no qual se adere a uma das alternativas possíveis. Aristóteles definiu a escolha como uma apetição deliberada referente a coisas que dependem de nós; em sentido determinista, Spinoza identificou a Decisão com o desejo ou determinação do corpo, que pode ser deduzida por meio das leis do movimento e do repouso. A decisão é constantemente entendida pelos filósofos como o ato de discriminação dos possíveis ou de adesão a uma das alternativas possíveis. É, portanto, um ato antecipatório e projetante, no qual o futuro é de certo modo determinado.
 

Declinação
Desvio dos átomos da queda retilínea, admitido por Epicuro para possibilitar o choque entre os átomos, a partir do qual os corpos são gerados. Com efeito, os átomos que, no vácuo, se movem todos com a mesma velocidade nunca se encontrariam sem a Declinação.
 

 
 

Entrevistas

Novidades

 


Receber
Parar de receber

Livros

Gostou do site?

Seu nome:

Nome do seu amigo:

E-mail do seu amigo:

Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.