Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Dicionário de Filosofia

Dedução
É quando uma conclusão com pretensão de verdade deriva de uma ou mais premissas. Na história da filosofia, essa relação foi interpretada e fundamentada basicamente de três maneiras: 1 - Quando considera que a pretensão de verdade é fundada na essência necessária ou substância dos objetos a que se referem as proposições; 2 - Quando considera a pretensão de verdade fundamentada na evidência sensível que os objetos apresentam; 3 - Quando nega que a pretensão de verdade tenha um único fundamento e a considera decorrente de regras cujo uso pode ser objeto de acordo. A interpretação tradicional de Dedução como o fato de o particular derivar do universal ou como um raciocínio que vai do universal ao particular, refere-se apenas à primeira dessas interpretações e por isso é restrita demais para poder abranger todas as alternativas a que essa noção deu origem.
 

Definição
Declaração da essência. Distinguem-se diversos conceitos de Definição, que correspondem aos diversos conceitos de essência, mais precisamente: 1 - Conceito de Definição como declaração da essência substancial; 2 - Conceito de Definição como declaração da essência nominal; 3 - Conceito de Definição como declaração da essência-significado.
 

Deidade
Em geral, a essência ou natureza divina; e esse é o sentido encontrado em Agostinho de Hipona.
 

Deificação
Identificação do homem com Deus como termo e realização da ascensão mística. Esse termo acha-se em Dionísio Areopagita e foi retomado por Scotus Erigena e pela mística medieval.
 

Deliberação
Consideração das alternativas possíveis que certa situação oferece à escolha. Aristóteles observa que o médico não se pergunta se quer ou não curar o doente, o orador não se pergunta se quer ou não persuadir. Ao contrário, uma vez posto o fim, examina-se como e por quais meios se poderá atingi-lo; sobre esses meios, portanto, versará a deliberação. A Deliberação conclui-se e culmina na escolha. O objeto de ambas é o mesmo, salvo pelo fato de que o objeto da escolha já está definido pelo processo deliberativo a que a escolha finaliza.
 

Demônio
Ser divino em geral, que não o supremo, ao qual é habitualmente reservada a função de mediação. Sócrates atribuía à esses deuses a voz que o chamava para sua tarefa e para o que devia ou não fazer algo de divino. Depois, foram freqüentemente chamadas de Demônios as divindades inferiores ou subordinadas, que muitas vezes os filósofos identificaram com as admitidas pela religião tradicional. Já Platão admitira essas divindades como criadas pelo Demiurgo. Os estóicos pensavam do mesmo modo. Plotino diz que um Demônio é uma imagem de Deus e que os Demônios estão na segunda ordem, logo depois dos deuses, ao passo que depois deles vêm os homens e os animais. Plutarco multiplica os Demônios, considerando-os emanações, mais ou menos remotas, da divindade suprema. O cristianismo adotou a seu modo a doutrina dos Demônios, chamando de anjos os bons Demônios e reservando o nome de Demônios aos anjos maus.
 

Demiurgo
O criador do mundo. Essa palavra tem origem em Timeu, de Platão; nessa obra, a causa criadora do mundo é atribuída a uma divindade que cria o mundo à semelhança da realidade ideal, utilizando uma matéria informe e resistente que Platão chama de matriz do mundo.
 

Demoníaco
Para Kant, o diabolismo caracteriza-se pela malícia, pela intenção de acatar como motivo das ações o mal enquanto mal. Quanto ao próprio diabo, Kant vê nele a personificação de um ensinamento moral que era assim posto ao alcance de todos, ou seja, do ensinamento de que não há salvação para os homens a não ser na aceitação dos princípios morais.
 

Demonstração
O termo Demonstração e seu conceito foram introduzidos na Lógica por Aristóteles como silogismo que deduz uma conclusão de princípios primeiros e verdadeiros ou de outras proposições deduzidas silogisticamente de princípios primeiros e evidentes.
 

Deontologia
Termo criado por Jeremy Bentham para designar uma ciência do conveniente, ou seja, uma moral fundada na tendência a perseguir o prazer e fugir da dor e que, portanto, não lance mão de apelos à consciência ou ao dever. A tarefa do deontólogo, diz Bentham, é ensinar ao homem como dirigir suas emoções de tal modo que as subordine na medida do possível, a seu próprio bem-estar. Muito diferente desse uso é o proposto por Antônio Rosmini, que entendeu por deontológicas as ciências normativas, ou seja, as que indagam como deve ser o ente para ser perfeito. O ápice das ciências deontológicas seria a ética.
 

   

 
 

Entrevistas

Novidades

 


Receber
Parar de receber

Livros

Gostou do site?

Seu nome:

Nome do seu amigo:

E-mail do seu amigo:

Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2018 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.