Você está em Material de apoio > Resenhas

Resenha do mês

(05/Jun)

A POTÊNCIA DE EXISTIR - Michel Onfray

A POTÊNCIA DE EXISTIR obra filosófica de Michel Onfray, posicionada na proposição hedonista, contém uma historiografia, uma ética, uma estética, uma bioética, uma erótica e uma política. Desde o prefácio em que o filósofo nos agracia com sua historicidade nos planificando no seu contexto onde opera a sua ação filosófica até a sua reflexão existencial radical, ali está a chave, as páginas que explicam a procedência de sua filosofia, que segundo ele decorre de uma operação de sobrevivência efetuada desde o orfnato.

A obra traz com primeira parte uma via lateral filosófica, método alternativo em que o pensamento trabalha a historiografia clássica da filosofia que procede de um a priori platônico em vitude do qual o que procede do sensível é uma ficção. O que pretende Onfray é exumar essa historiografia alternativa por meio do que ele chama de contra-história da filosofia em que esta apresenta o que está a sombra dela. Sua preocupação em desconstruir os mitos e as fábulas é possibilitar um mundo habitárvel e desejável, reduzindo os deuses e os temores, os medos e as angústias existenciais; domesticar a morte com uma terapia ativa aqui e agora, sem convidar a morrer em vida para melhor partir quando chegar a hora. O arauto de sua obra é sem dúvida seu acerdo de contas com o platonismo e o cristianismo.

Para o filósofo Michel Onfray, A POTÊNCIA DE EXISTIR vem fazer um balanço da questão do hedonismo em que reduz a uma interrogação de Espinosa: O que pode o corpo? E a partir desta, acrescenta outras: em que o corpo se tornou o objeto filosófico predileto? E daí, perguntar: como pensar o artista? De que maneirainstalar a ética no terreno estético? Como descristianizar a episteme ocidental? Sua respostas a essas indagações se sucedem numa série de desenvolvimentos contstitutivos de um pensamento existencial radical. Assumindo posição libertária propõe uma prática existencial em todas as ocasiões e em todas as circusntâncias.
Assim, Michel Onfray, chega as ultimas páginas do livro A POTÊNCIA DE EXISTIR incitando-nos a visar um Estado melhor, uma sociedade pacificada, uma civilização feliz é um desejo infantil. Nesse unverso de malhas liberais poderosas, construamos utopias concretas, ilhas pensadas como abadias pontuais e reprodutíveis em todos os lugares, em todas as ocasiões e em todas as circunstãncias. Jardins de Epicuro nômades, construídos a partir de si ONDE QUER QUE NOS ENCONTREMOS, PRODUZAMOS O MUNDO A QUE ASPEIRAMOS E EVITEMOS ESTE QUE REJEITAMOS.

 
       

 
 
Como referenciar: "A POTÊNCIA DE EXISTIR - Michel Onfray - Resenha" em Só Filosofia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2019. Consultado em 14/12/2019 às 05:46. Disponível na Internet em http://filosofia.com.br/vi_res.php?id=23