Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(10/Out) Secretaria de Educação - Rondônia - IBADE - 2017 -
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Questão 36
O "Processo lógico de derivar uma proposição da outra, ou de se obter uma conclusão a partir de determinadas premissas, de acordo com certas regras operatórias". (JARIPASSU & MARCONDES, 2001)
Encontra sua expressão perfeita no conceito de:
A) juízo.
B) ataraxia.
C) anfibologia.
D) solipsismo.
E) inferência.

Questão 37
Immanuel Kant, na sua importantíssima Crítica da Faculdade do Juízo, diz que "nenhum conceito de bom pode determinar o juízo de gosto". Ele justifica essa negação alegando que o juízo de gosto não concerne a nenhum conceito da natureza; o que o reduz à simples expressão da "relação das faculdades da representação entre si". Com base nessa concepção, resta tornar o juízo de gosto correspondente, exclusivamente, ao juízo:
A) de valor sintético.
B) de conhecimento.
C) estético.
D) a priori.
E) a posteriori.

Questão 38
René Descartes, ao avançar na sua discussão sobre o impacto da filosofia sobre as capacidades de pensar, compreender, estabelecer comparações, prover inferências, discriminar entre tese principal e secundária, entre outras coisas, coloca a percepção como aspecto essencial para o procedimento do correto filosofar. (DESCARTES, 2002)
Segundo ele, a percepção se divide em:
A) distinta e analítica.
B) clara e distinta.
C) sintética e clara.
D) silogística e sintética.
E) figurativa e normativa.

Questão 39
Atualmente, a questão do meio ambiente recebe grande destaque. Assim, qualquer inserção no debate sobre tal tema requer alguma concepção acerca da natureza. Uma sintética, porém contundente, apreciação desse assunto chama a atenção para a existência de um conceito o qual funciona como "princípio de organização extensivo à natureza como um todo". Tal conceito é:
A) mioma.
B) fauna.
C) flora.
D) organismo.
E) agropecuária.

Questão 40
A questão sobre o que é a filosofia, é recorrente a qualquer grande filósofo. Naturalmente, as respostas são as mais variadas. Contudo, a despeito da diversidade intrínseca a tal atitude, um aspecto desponta como típico, estando portanto presente em todas as épocas, e caro a todos os que encaram o desafio de responder à demanda mencionada. Em uma formulação simples, didática, porém, altamente eficiente, IGLÉSIAS, 1999, concebeu-se a filosofia como um "saber pelo saber; um saber livre, e não um saber que se constitui para resolver uma dificuldade de ordem prática; um saber pelas causas". Nesse sentido, a filosofia define-se como um pensar pelo pensar. Isto posto, cabe indagar sobre aquilo que, concretamente, compele os homens à prática de tal forma de pensar a qual, conquanto tenha sua relevância variável ao longo da história, conserva sua vivacidade e pujança. O termo grego "thauma" consubstancia toda a essência da questão.
Toda a gama de caracteres que circunscrevem tal impulso encontra sua melhor descrição pelo termo:
A) admiração.
B) lógica.
C) silogismo.
D) sofística.
E) erística.

Questão 41
Nenhum filósofo dedicou mais atenção à questão do trabalho do que Karl Marx. Ao longo de sua obra o trabalho recebe vários significados. Isso é devido aos múltiplos pontos de vista a partir dos quais ele reflete sobre tal objeto. Em sua análise econômica mais madura, patenteada sobretudo em O Capital, o trabalho é detalhadamente analisado: razão pela qual, em tal obra, o sentido de cada uma das definições só encontra inteligibilidade em função dos atributos que o circundam. Seja como for, o aspecto constitutivo do trabalho na sociedade capitalista, o qual dá sentido a todo esforço de Marx, e que já está presente em suas obras de juventude, pode ser sintetizado sob a rubrica de trabalho:(MARX, 1993)
A) concreto.
B) abstrato.
C) industrial.
D) alienado.
E) mental.

Questão 42
Para Aristóteles, o que caracteriza a filosofia e a distingue das demais formas de saber é "o conhecimento dos universais". Isso habilita o detentor de tal conhecimento à "capacidade de ensinar"; o que só é possível aos que se lançam à "pesquisa das causas primeiras e dos princípios". (ARISTÓTELES, 2002)
Esse tipo de conhecimento que encerra o significado primordial da filosofia, ao ser delineado contra o pano de fundo da experiência, recebe o nome de:
A) órganon.
B) ética.
C) arte.
D) hilemorfismo.
E) física.

Questão 43
Kant define o juízo como "uma representação da unidade da consciência de diversas representações ou a representação entre elas, na medida em que constituem um conceito". (KANT, 2014)
À frente, no mesmo texto, ele destaca que "a todo juízo pertencem, como seus componentes essenciais, matéria e forma". Contudo, ele destaca, logo em seguida, que "por fazer abstração de toda diferença real ou objetiva do conhecimento, a Lógica não pode tratar da matéria dos juízos, assim como não se ocupou do conteúdo dos conceitos". Concluindo seu raciocínio, Kant afirma que cabe à lógica o papel exclusivo de investigar a diferença dos(das):
A) juízos no que concerne a sua mera forma.
B) consciências no que concerne a sua mera expressão empírica.
C) conceitos no que concerne a sua expressão transcendental.
D) formas no que concerne a sua materialização em conteúdo.
E) matérias no que concerne a sua pura expressão enquanto tal.

Questão 44
Um documento produzido pelo MEC a respeito da importância da filosofia para o ensino médio descreve-a da seguinte maneira:
"A Filosofia deve compor, com as demais disciplinas do ensino médio, o papel proposto para essa fase da formação. Nesse sentido, além da tarefa geral de "pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho" (Artigo 2º da Lei nº 9.394/1996), destaca-se a proposição de um tipo de formação que não é uma mera oferta de conhecimentos a serem assimilados pelo estudante, mas sim o aprendizado de uma relação com o conhecimento que lhe permita adaptar-se "com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores" (Artigo 36, Inciso II) - o que significa, mais que dominar um conteúdo, saber ter acesso aos diversos conhecimentos de forma significativa. A educação deve centrar-se mais na ideia de fornecer instrumentos e de apresentar perspectivas, enquanto caberá ao estudante a possibilidade de posicionar-se e de correlacionar o quanto aprende com uma utilidade para sua vida, tendo presente que um conhecimento útil não corresponde a um saber prático e restrito, quem sabe à habilidade para desenvolver certas tarefas. Há, com isso, uma importante mudança no foco da educação para o aluno, que, tomando como ponto de partida a sua formação ou em termos mais amplos a constituição de si, deve posicionar-se diante dos conhecimentos que lhe são apresentados, estabelecendo uma ativa relação com eles e não somente apreendendo conteúdos".
"Objetivos para a filosofia no ensino médio". In, Orientações curriculares para o ensino médio. Vol 3: Ciências humanas e suas tecnologias.Portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_3 .internet.pdf.Acesso em 12/10/2016 p. 28.
Na esteira dessa caracterização, resta óbvio
qualificar como principal papel da filosofia o de:
A) articulador.
B) mediador.
C) retificador.
D) redutor.
E) formador.

Questão 45
Em uma obra chamada O que é política? (1999), Hannah Arendt ataca frontalmente a concepção do homem como "Zoon Politikon", ou seja, como animal político, e como tal, propenso de modo inato à sociabilidade. Contra isso, ela define a natureza da política "fora dos homens". Como tal, ela emerge "no intra-espaço", e se estabelece como:
A) resultado.
B) pré-condição.
C) relação.
D) conversão.
E) orientação.

Questão 46
Immanuel Kant lista três "atos lógicos do intelecto, pelos quais os conceitos se produzem segundo sua forma", são eles:
A) empírico, arbitrário e analítico.
B) diferencial, universal e consubstancial.
C) prolegomênico, derivativo e sensitivo.
D) comparação, reflexão e abstração.
E) ilação, pressuposição e concatenação.

Questão 47
"O uso da especulação racional na tentativa de compreender a realidade que se manifesta aos homens". (IGLÉSIAS, 1999)
Essa frase encerra a característica distintiva da filosofia, delimitando com precisão sua distância em relação à(ao):
A) ciência.
B) mito.
C) literatura.
D) ritornelo.
E) astronomia.

Questão 48
"Contra as cosmologias e as teogonias instauram-se investigações que visam descobrir princípios de explicação "realistas" e que nada mais tomam da interpretação religiosa tradicional". (CHATELET, 1981)
Nessa esteira, Chatelet caracteriza como "simbólica da invocação" a atitude característica da explicação de aspecto religioso à qual se opõe a filosofia. Nesse sentido, a atitude primordial da filosofia encontra seu pleno significado na expressão:
A) analítica do sublime.
B) lógica do discurso.
C) dialética materialista.
D) realismo mágico.
E) hilemorfismo anfibologista.

Questão 49
Ilya Prigogine e Isabelle Stengers caracterizam a ciência como um procedimento a partir do qual "trata-se de adivinhar o comportamento de uma realidade distinta de nós, insubmissa tanto a nossas crenças e ambições quanto a nossas esperanças. Não se obriga a dizer tudo o que se quer à natureza, e é porque a ciência não é um monólogo, porque ao "objeto" interrogado não faltam meios para desmentir a hipótese mais plausível ou mais sedutora, em resumo, por ser arriscado, é que torna-se fonte de emoções raras e intensas". (PRIGOGINE & STENGERS, 1984)
O caráter "arriscado" desse procedimento qualifica-o também, consoante aos autores citados, como um(a):
A) aposta.
B) ritual.
C) jogo.
D) liturgia.
E) pressuposto.

Questão 50
"A natureza é, para a humanidade, uma questão de utilidade, e não uma força em si mesma. A finalidade de procurar conhecer as leis autônomas da natureza é sujeitá-la às necessidades humanas, como um objeto de consumo ou meio de produção". Essa concepção de natureza evidencia sua existência independentemente dos homens; porém, "ela só manifesta suas qualidades e ganha significado através de uma relação transformadora" com o(a): (YOUNG, 1993)
A) trabalho.
B) consciência.
C) devir.
D) necessidade.
E) materialismo.

GABARITO:
36E
37C
38B
39D
40A
41D
42C
43A
44E
45C
46D
47B
48B
49C
50A
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2018 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.