Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(03/Jan) IF-BA - aocp - 2016
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

21. Figura cosmogônica importante na poesia de Hesíodo e que representou, provavelmente, o primeiro esforço categórico para retratar o princípio originário de tudo. O enunciado se refere
(A) ao Caos.
(B) a Apolo.
(C) a Tánatos.
(D) a Zeus.
(E) à Natureza.

22. A respeito do relativismo sofista, assinale a alternativa correta.
(A) Em Protágoras, ele é ilimitado, já que o homem, como medida de todas as coisas, não é medido em relação a nada mais, seja a verdade, o bem ou a utilidade.
(B) Em Górgias, ele se manifesta na impossibilidade de conhecer mesmo aqueles objetos da natureza mais dotados de ser, sendo portanto impossível o uso do discurso para demonstrar ou persuadir.
(C) Apesar de limitar, ele não anula, para os sofistas, a pesquisa e a manifestação da verdade, da qual os sofistas se consideravam e eram considerados exímios professores.
(D) A partir da negação do ser e da afirmação do nada, o relativismo faz surgir a retórica a partir da desvinculação entre palavra e ser, tornando a palavra portadora de persuasão.
(E) Ele propiciou aos sofistas um mecanismo teórico de conciliação entre convenção e natureza como fontes inseparáveis e necessárias das normas reguladoras da cidade e da vida dos indivíduos.

23. Quanto à noção de alma (psique), central para a antropologia filosófica antiga, assinale a alternativa correta.
(A) Para Aristóteles, os seres vivos se distinguem a partir do seu específico e exclusivo tipo de alma, peculiar a cada um deles: os vegetais, a alma vegetativa; os animais, a alma sensitiva; o homem, a alma intelectiva.
(B) O homem, para Platão, é a conjunção entre alma (sede da faculdade racional) e corpo (sede da faculdade apetitiva).
(C) Para Platão, a alma é a sede unitária de uma virtude - a justiça - que permite ao homem medir-se e ser medido em sentido moral.
(D) Para Aristóteles, a alma humana é sede da razão e dela não participam as paixões e os desejos, cuja sede é o corpo, considerado raiz de todo mal e cárcere da alma.
(E) Platão apresenta a alma como composta por três partes: a racional, a irascível e a apetitiva, para as quais correspondem três virtudes.

24. A respeito do agir segundo a razão e do agir com razão, na ética aristotélica, é correto afirmar que
(A) a virtude é razão, de modo que o agente virtuoso deve agir consciente do dever, o que instala o domínio da inteligência como princípio interno e motivação da ação.
(B) o valor do ato decorre antes da virtude de seus resultados, quando esses coincidem com prudência (a reta razão), que de qualquer princípio interno da ação ou movimento interno racionalmente determinado.
(C) agir virtuosamente não é apenas agir conforme a razão e sim agir com razão, acompanhado da razão, como um princípio interno, resultando na tese de que a virtude moral decorre do hábito.
(D) agir segundo a razão e agir com razão se igualam, estabelecendo-se a tese de que a virtude moral depende do conhecimento e do esclarecimento do agente, isto é, a tese do predomínio da razão como bem supremo.
(E) com a distinção entre agir segundo a razão e agir com razão, Aristóteles propõe a diferença entre opinião e saber, resguardando o louvor apenas à ação baseada em saber, isto é, fundada na razão.

25. Caracteriza-se como ato voluntário, na filosofia aristotélica, aquele em que o princípio da ação
(A) é externo ao agente, ao mesmo tempo em que ele desconhece as circunstâncias que envolvem seu ato.
(B) está no agente e esse agente conhece as circunstâncias em que se desenvolve a ação.
(C) está no agente, mesmo quando ele desconhece as circunstâncias em que se desenvolve a ação.
(D) é externo ao agente, ainda que ele conheça as circunstâncias que envolvem seu ato.
(E) está no agente, que desconhece algumas das circunstâncias envolvidas em seu ato, porém dele não se arrepende.

26. Assinale a seguir a alternativa que melhor expressa a solução proposta por Santo Agostinho para a relação entre fé e razão.
(A) A fé comanda e até substitui a razão, de modo que a solução agostiniana pode ser adequadamente expressa pela seguinte afirmação: creio porque é absurdo.
(B) Fé e razão, como faculdades distintas da alma humana, devem ser aplicadas separadamente a distintos objetos, de modo que a solução agostiniana pode ser expressa pela seguinte afirmação: a fé se aplica às coisas divinas, enquanto a razão, às coisas do mundo.
(C) A razão comanda a fé e pode mesmo superá-la em determinadas condições, de modo que se pode afirmar que, para Santo Agostinho, a fé é o estágio inicial do conhecimento e a ciência seu estágio definitivo.
(D) A fé é um pré-conhecimento em relação à razão, sendo que o conhecimento é resultado de uma atividade racional à qual a fé abre o acesso, de modo que a solução agostiniana se dá pela unidade indivisível que é a inteligência da fé.
(E) A fé, enquanto opinião, auxilia a razão, que é o saber verdadeiro, iluminando a alma humana para a compreensão das ideias definitivas e rejeição das coisas transitórias desta vida, de modo que a solução agostiniana é assim expressa: entendo para crer.

27. São, para Kant, formas da sensibilidade, estrutura ou lei interna do espírito segundo as quais o sujeito coordena suas impressões, captando sensivelmente as coisas,
(A) razão e emoção.
(B) objetividade e subjetividade.
(C) tempo e espaço.
(D) matéria e espírito.
(E) finito e infinito.

28. Na filosofia kantiana, os imperativos são fórmulas de mandamento e recomendam cursos de ação às vontades refratárias. Nesse contexto, imperativos hipotéticos são aqueles que recomendam uma ação
(A) como necessária em si mesma e incondicionalmente.
(B) como sendo apropriada a um certo fim.
(C) como intrinsecamente necessária sem qualquer propósito.
(D) que seja desejável como lei universal.
(E) que seja sempre baseada em hipóteses falseáveis.

29. Quanto aos conceitos de belo e sublime, em Kant, assinale a alternativa correta.
(A) Ambos, o belo e o sublime, referem-se à forma do objeto, sendo portanto propriedades objetivas das coisas.
(B) Diferentemente do belo, o sublime agrada por si mesmo, isto é, sem a interposição de interesses.
(C) Diferentemente do sublime, o belo diz respeito ao simples e desperta para a representação do ilimitado.
(D) Ambos, o belo e o sublime, despertam prazer positivo, mas o belo pode suscitar também a comoção e a maravilha.
(E) Diferentemente do belo, o sublime diz respeito ao informe, o que implica também a representação do ilimitado.

30. Assinale a alternativa correta no que concerne à experimentação como elemento central do método científico de Galileu.
(A) Para Galileu, há estreita relação entre experimentação (observações, experiências e demonstrações) e elaboração de uma teoria. A própria experimentação é dirigida por concepções teóricas.
(B) Para Galileu, experimentação e teorização se opõem como métodos, já que constituem duas vias distintas de elaboração científica.
(C) Dado o empirismo da ciência em Galileu, a matemática - como fonte de modelos ideais - deixa de ter relevância para a condução de experimentos, porquanto esses lidam com o real.
(D) A experimentação, no método galileano, seguia algumas premissas, das quais se destacam a de que a natureza supralunar era perfeita, a de que a natureza de modo geral é homogênea e, finalmente, a premissa da parcimônia ou economia de teorias.
(E) Para Galileu, a experimentação científica deve ser conduzida a partir dos seguintes procedimentos: assentimento à evidência, análise, síntese e controle.

31. Quanto à noção de contrato social, assinale a alternativa correta.
(A) Para Hobbes, contrato social expressa o pacto contraído por todas as pessoas para constituírem, conjuntamente, um corpo político soberano, de modo a se tornarem legisladores e súditos ao mesmo tempo.
(B) Para Locke, contrato social expressa o pacto pelo qual as pessoas delegam a um único indivíduo - o soberano - a autoridade, isto é, o trabalho de tutelar os direitos e os deveres de todos.
(C) Para Rousseau, contrato social expressa a condição mediante a qual os indivíduos - que em estado natural gozam de plena liberdade e, entretanto, comportam-se como lobos uns dos outros - renunciam a seus direitos pessoais em benefício de sua segurança.
(D) Para Locke, contrato social expressa o pacto pelo qual constitui-se uma comunidade que, por sua vez, é baseada na noção de que a maioria tem o direito de resolver e agir por todos.
(E) Para Rousseau, o contrato social produz, como efeito, o retorno do homem ao seu estado original e natural de liberdade e bondade, o que o possibilita a superar os males produzidos pela comunidade e pelas instituições sociais, como as leis e o direito.

32. Assinale a alternativa correta.
(A) Para Hobbes, há a necessidade de serem postos limites ao estado para que se possa viver em liberdade.
(B) Locke sublinha, ao discutir o governo, o primado da lei natural sobre a lei positiva.
(C) Para Hobbes, há a necessidade de serem postos limites ao soberano para que se possa viver em liberdade.
(D) Locke sublinha, ao discutir o governo, o primado da lei positiva sobre a lei natural.
(E) Rousseau sublinha, ao discutir os fundamentos da sociedade, o primado da vontade individual (expressão da lei natural) sobre a vontade geral (expressão do estado).

33. Assinale, a seguir, a alternativa que apresenta aspectos fundamentais do empirismo segundo Francis Bacon.
(A) O conhecimento não tem valor em si, tem de estar fundamentado em fatos e deve seguir uma via epistemológica experimental.
(B) O conhecimento consiste em expressar conceitos a priori, deve estar fundamentado na razão e deve seguir uma via epistemológica dedutiva.
(C) O conhecimento é valioso por si mesmo, independentemente de seus resultados práticos, deve estar baseado em antecipações, ou teorias, sobre a natureza e deve seguir uma via epistemológica indutiva.
(D) O conhecimento deve respeitar e conservar a natureza das coisas, deve desvelar a essência dos fenômenos de modo a permitir ao ser humano controlá-los, seguindo-se portanto uma via epistemológica positivista.
(E) O conhecimento deve produzir utilidades para o ser humano, sendo fundamentado em teorias e modelos matemáticos e deve seguir uma via epistemológica racionalista.

34. Qual é o princípio fundamental característico do positivismo lógico do chamado Círculo de Viena?
(A) Princípio de falseabilidade.
(B) Princípio de refutação ou refutabilidade.
(C) Princípio nomológico-dedutivo.
(D) Princípio de indução ou de indução estatística.
(E) Princípio de verificação ou de verificabilidade.

35. Quanto à noção de revolução científica, para Thomas Kuhn, assinale a alternativa INCORRETA.
(A) Uma revolução científica é uma mudança de paradigma, envolvendo não apenas a substituição de uma teoria por outra e sim uma completa mudança de uma rede de compromissos, crenças e valores científicos por outra.
(B) As revoluções científicas, necessariamente, têm um caráter não racional, isto é, a decisão de mudança de um paradigma para outro não pode ser decidido com base apenas em valores e métodos da ciência normal.
(C) As revoluções científicas são objetivamente progressivas, ou seja, elas decorrem de uma sequência cumulativa de eventos.
(D) Uma revolução científica fará emergir uma nova tradição científica normal que será, a seu tempo, não somente incompatível como também - muitas vezes - incomensurável com a tradição precedente.
(E) Revoluções científicas são repentinas e não estruturadas, sendo comparadas por Kuhn às experiências de conversão.

36. Assinale a alternativa que apresenta o critério de demarcação científica considerado, por Karl Popper, aquele que melhor identifica a ciência, distinguindo-a das demais formas de conhecimento e da pseudociência.
(A) Irrefutabilidade, isto é, a propriedade que um sistema científico possui quando ele se mostra como sendo verdadeiro.
(B) Consentimento da comunidade, isto é, a propriedade que um sistema científico adquire após ter sido aceito por uma comunidade de pesquisadores relevantes.
(C) Progressividade, isto é, a condição que um programa científico adquire por ser o resultado do acúmulo de descobertas e desenvolvimentos ao longo de um tempo.
(D) Falseabilidade, isto é, a enunciação de proibições que, se forem observadas por meio de testes genuínos, refutam o sistema científico.
(E) Integridade, isto é, a elaboração das premissas científicas e dos testes dentro de padrões técnica e eticamente rigorosos.

37. De acordo com Larry Laudan, o progresso científico ocorre quando
(A) novas teorias desenvolvidas resolvem mais problemas importantes que as teorias precedentes.
(B) novas teorias desenvolvidas são mais verdadeiras que as teorias precedentes.
(C) um paradigma científico é substituído por outro paradigma.
(D) novas teorias desenvolvidas são mais realistas que as teorias precedentes.
(E) as novas explanações científicas em um determinado campo do conhecimento são mais formalizadas matematicamente que as explanações precedentes.

38. É conceito de primeira importância para a análise do ser e da existência, no Existencialismo,
(A) a veracidade.
(B) a objetividade.
(C) o determinismo.
(D) o sistema.
(E) a possibilidade.

39. A respeito da liberdade humana, na filosofia de Jean-Paul Sartre, é correto afirmar que
(A) ela é sempre parcial, porquanto o ser humano é limitado pelos imperativos da natureza.
(B) ela é definida pela essência humana, que estabelece em quais setores da existência o ser humano é livre e em quais ele não o é.
(C) ela é absoluta, sendo o ser humano condenado a inventar, a cada instante, a si mesmo.
(D) ela é liberdade de razão, isto é, a possibilidade de se submeter à necessidade.
(E) ela é a possibilidade de agir em conformidade com as próprias regras, uma autonomia, limitada apenas pelas leis que devem governar uma população.

40. É a característica fundamental da consciência, segundo a fenomenologia de Edmund Husserl, indicando que toda consciência é consciência de algo, de um objeto. O enunciado refere-se à
(A) recursividade.
(B) relatividade.
(C) atualidade.
(D) dialeticidade.
(E) intencionalidade.

41. Quem se volta para o plano dos entes em sua factualidade, ou seja, ao cuidado pelo ser-no-mundo, o cuidado com as coisas, utilizando-as e delas se servindo, vive uma forma de existência considerada por Heidegger como sendo
(A) existência real.
(B) existência autêntica.
(C) existência ideal.
(D) existência inautêntica.
(E) existência mortal.

42. Quanto ao estádio religioso, em Kierkegaard, é correto afirmar que
(A) consiste no relacionamento pessoal com um conjunto de doutrinas da fé, o que é expresso pela teologia.
(B) consiste em uma forma de vida de apego ao dever e que se expressa, dentre outros aspectos, pelo casamento.
(C) se divide em dois, sendo um deles o da religiosidade geral e o outro o da religiosidade paradoxal, cujo ponto central - o paradoxo absoluto - é a existência do Deus-homem.
(D) se divide em três, sendo eles a religiosidade objetiva, a religiosidade subjetiva e a religiosidade intersubjetiva.
(E) se divide em dois, sendo um a religiosidade estética e o outro a religiosidade ética, cuja expressão central é a obediência aos mandamentos divinos.

43. Para Adorno e Horkheimer, a racionalização instrumental típica do ocidente conduziu as sociedades a um estado de massificação dos indivíduos, com consequente perda de sua autonomia, sua identidade, em benefício de objetivos fixados não pelas pessoas e sim pelo sistema. Para eles, tal situação é produzida, dentre outros elementos, principalmente pela
(A) política moderna.
(B) indústria cultural.
(C) filosofia liberal.
(D) ciência experimental.
(E) teoria econômica clássica.

44. O poder que se exerce sobre os corpos, visando a torná-los dóceis e produtivos, e o poder sobre a vida e a morte, que considera o ser humano como ser vivente, são chamados por Michel Foucault, respectivamente, de
(A) poder político e poder pastoral.
(B) poder administrativo e poder jurídico.
(C) dominação e poder disciplinar.
(D) poder disciplinar e biopoder.
(E) governamentalidade e governo de si.

45. Hannah Arendt reflete a respeito de três atividades humanas que são vinculadas a três formas de vida humana. Tal relação esquemática é central na filosofia daquela pensadora e em sua crítica da sociedade contemporânea. Assinale a alternativa que relaciona, corretamente, aqueles modos de vida e atividades humanas.
(A) Ser político - trabalho; homo faber - fabricação; animal laborans - ação.
(B) Ser político - ação; homo faber - trabalho; animal laborans - fabricação.
(C) Ser racional - ação; homo economicus - trabalho; homo ludens - diversão.
(D) Ser político - ação; homo faber - fabricação ; animal laborans - trabalho.
(E) Ser racional - contemplação; homo economicus - ação; homo laborans - trabalho.

46. Quanto ao segundo princípio de justiça, conforme John Rawls, é correto afirmar que
(A) nele não se admitem desigualdades de renda e bens, já que considera como fundamento da justiça a igualdade social e econômica.
(B) nele se afirma a mais ampla liberdade para todas as pessoas, sendo que a liberdade da pessoa deve ser igual a das outras e a mais extensa possível.
(C) nele são admitidas desigualdades sociais e econômicas, desde que todos sejam igualmente beneficiados.
(D) nele se afirma que cada pessoa tem o mesmo direito a um esquema de liberdades básicas iguais e compatíveis com as liberdades de todos os outros.
(E) nele são admitidas desigualdades sociais e econômicas, porém quando essas estão vinculadas a posições acessíveis a todos e beneficiam ao máximo as pessoas menos favorecidas.

47. Em sua proposta de um estado mínimo, Robert Nozick defende que as relações de cooperação e associação entre os indivíduos devem ser
(A) voluntárias, já que o Estado deve reconhecer os direitos individuais como invioláveis.
(B) legalmente organizadas e reguladas, já que o Estado tem, entre suas poucas funções, o estímulo à associação entre indivíduos.
(C) determinadas pelo Estado, responsável primeiro pela sobrevivência dos indivíduos e da coletividade na qual aqueles indivíduos cooperam e podem prosperar.
(D) estimuladas pelo Estado, que deve considerar, para tanto, o interesse da sociedade mais ampla e a necessidade de manutenção da segurança e bem-estar daqueles indivíduos isolados ou coletivamente organizados.
(E) desestimuladas pelo Estado, porquanto elas oferecerem risco à capacidade de governo e ao seu direito e monopólio de vigilância sobre os indivíduos.

48. Com a noção de um princípio de responsabilidade, Hans Jonas quer acrescentar à ética, além da dimensão quotidiana, imediata e presente da interação humana (típica, segundo ele, das demais éticas), duas outras dimensões ou âmbitos. Quais são esses dois âmbitos?
(A) O âmbito do discurso e o do consenso.
(B) O âmbito da pragmática e o da utilidade.
(C) O âmbito extra-humano, ou natureza, e o das gerações futuras.
(D) O âmbito do corpo (sexualidade) e o do cuidado de si.
(E) O âmbito da sacralidade e o do dever.

49. Para Michel Foucault, a parresía entre os antigos compreendia dois sentidos mutuamente relacionados. São eles:
(A) o cuidado de si e o governo dos outros.
(B) a liberdade de palavra e a franqueza.
(C) a beleza e a verdade.
(D) a vigilância e o poder.
(E) a adulação e a retórica.

50. Para David Hume, o nexo causa-efeito apresenta elementos essenciais, acessados de diferentes modos. Quanto a isso, é correto afirmar que esses elementos são:
(A) a dedução, que é experimentada, e a indução, que é inferida.
(B) a contiguidade e a sucessão, que são induzidas, e a conexão necessária, deduzida.
(C) a contiguidade e a sucessão, que são experimentadas, e a conexão necessária, que é inferida.
(D) a experiência, acessada pelos sentidos, e a razão, acessada pelo intelecto.
(E) a contiguidade e a sucessão, que são deduzidas, e a conexão necessária, que é induzida

GABARITO:
21A
22D
23E
24C
25B
26D
27C
28B
29E
30A
31D
32B
33A
34E
35C
36D
37A
38E
39C
40E
41D
42C
43B
44D
45D
46E
47A
48C
49B
50C
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.