Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(11/Set) Sapiranga - RS - Objetiva - 2016
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

31) A história da Filosofia é repleta de pensadores e de teorias que se completam e/ou se contradizem. A argumentação e a lógica são os maiores trunfos no auxílio das demonstrações e embasamentos de todos os filósofos. Muitas são as obras que contribuíram para o desenvolvimento da Filosofia. Com relação aos filósofos e às suas obras, numerar a 2ª coluna de acordo com a 1ª e, após, assinalar a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
(1) Hannah Arendt.
(2) David Hume.
(3) Emmanuel Kant.
(4) Friedrich Nietzsche.
(5) Martin Heidegger.
( ) Crítica da Razão Pura.
( ) Investigação Sobre o Entendimento Humano.
( ) A Condição Humana.
( ) A Gaia Ciência.
( ) Ser e Tempo.
a) 3 - 1 - 2 - 4 - 5.
b) 1 - 3 - 2 - 5 - 4.
c) 5 - 1 - 3 - 4 - 2.
d) 3 - 2 - 1 - 4 - 5.

32) Os filósofos pré-socráticos são responsáveis pela ruptura entre as explicações mitológicas e a Filosofia. Eles escolheram diferentes physis, isto é, cada filósofo encontrou motivos e razões para dizer qual era o princípio eterno e imutável que está na origem da natureza e de suas transformações. Esses filósofos pré-socráticos são também conhecidos como:
a) Sofistas.
b) Filósofos da natureza.
c) Epicuristas.
d) Filósofos peripatéticos.

33) Teórico absolutista que defende a ideia de que o contrato social é um acordo em que as pessoas abrem mão da sua total liberdade, característica marcante do estado de natureza, em troca da proteção e justiça proporcionadas por um estado forte, por ele comparado metaforicamente ao monstro bíblico do Livro de Jó, Leviatã:
a) Jean-Jacques Rousseau.
b) John Locke.
c) Thomas Hobbes.
d) Nicolau Maquiavel.

34) Os contratualistas (Hobbes, Locke e Rousseau), figuram como grandes expoentes da teoria política. Com relação aos seus posicionamentos no que concerne ao contrato social, assinalar a alternativa CORRETA:
a) Tanto Hobbes quanto Rousseau concordam que no estado de natureza vivia-se em perfeita harmonia e igualdade.
b) Locke difere de Hobbes e Rousseau ao afirmar que no estado de natureza há uma liberdade total em que prevalece a lei do mais forte, e este domina o mais fraco.
c) Rousseau cria a hipótese dos homens em estado de natureza, vivendo sadios, bons e felizes, até o momento em que é criada a propriedade privada e uns passam a trabalhar para outros, gerando escravidão e miséria.
d) Os três teóricos contratualistas defendem que o contrato social foi criado pelos mesmos motivos, e que no estado de natureza as condições eram as mesmas.

35) Um dos principais representantes da Patrística, Santo Agostinho, afirma que a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, e é nisso que reside a fonte do pecado. A pessoa peca porque usa de seu livre-arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecaminosa. Com relação às ideias do autor, é CORRETO afirmar que:
a) Santo Agostinho é um grande representante e continuador das ideias de Aristóteles.
b) Argumentam em favor da supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. Para ele a alma teria sido criada por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo-o para a prática do bem.
c) O livre-arbítrio demonstra que a alma humana é inferior ao corpo, uma vez que somos guiados pelos nossos instintos e desejos.
d) O pensamento aristotélico dualista (distinção entre corpo e alma) é reforçado por Santo Agostinho quando este afirma que corpo e alma são um só e que um não existe sem o outro.

36) Friedrich Nietzsche é um dos autores mais controversos da história da Filosofia. Com relação às suas teorias sobre a moral humana, é INCORRETO afirmar que:
a) O homem, sob o domínio da moral, enfraquece-se, tornando-se doentio e culpado.
b) Ao fazer a crítica da moral tradicional, Nietzsche preconiza a "transvaloração de todos os valores". Denuncia a falsa moral, "decadente", "de rebanho", cujos valores seriam a bondade, a humildade, a piedade e o amor ao próximo.
c) A moral dos senhores é positiva, porque baseada no sim à vida, e se configura sob o signo da plenitude, do acréscimo. Uma moral que visa à conservação da vida e dos seus instintos fundamentais.
d) A moral aristocrática, moral dos senhores, que é sadia e voltada para os instintos da vida, Nietzsche afirma ser a moral socrática-platônica.

37) ABBAGNANO, utilizando as ideias de Platão, define Filosofia como "o uso do saber em proveito do homem. Platão observa que de nada serviria possuir a capacidade de transformar pedras em ouro quem não soubesse utilizar o ouro, de nada serviria uma ciência que tornasse imortal quem não soubesse utilizar a imortalidade. É necessário, portanto, uma ciência em que coincidam fazer e saber utilizar o que é feito, e essa ciência é a Filosofia." Platão foi responsável por grande parte do conhecimento filosófico clássico, desenvolvendo várias ideias e teorias.
Assinalar a alternativa que apresenta uma teoria platônica:
a) Teoria das quatro causas.
b) Teoria das ideias.
c) Matéria e forma, ato e potência, substância e acidentes.
d) Maiêutica.

38) "Todavia, pode ser que me engane, e talvez não passe de um pouco de cobre e vidro o que eu tomo por ouro e diamantes. Sei como estamos sujeitos a nos equivocar no que nos tange, mas estimaria muito mostrar, neste discurso, quais os caminhos que segui, e representar nele a minha vida como num quadro, para que cada qual possa julgá-la."
No argumento do Cogito, DESCARTES explica as regras de seu método no intuito de superar a dúvida e construir uma verdade com bases sólidas. Com base nisso, numerar a 2ª coluna de acordo com a 1ª e, após, assinalar a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
(1) Regra da evidência.
(2) Regra da análise.
(3) Regra da síntese.
(4) Regra da enumeração.
( ) Dividir cada uma das dificuldades em tantas partes quantas forem necessárias.
( ) Realizar verificações completas e gerais para ter absoluta certeza de que nada foi omitido.
( ) Reordenar o raciocínio indo dos problemas mais simples para os mais complexos.
( ) Só aceitar algo como verdadeiro desde que seja absolutamente evidente por sua clareza e distinção.
a) 2 - 3 - 4 - 1.
b) 1 - 4 - 3 - 2.
c) 1 - 3 - 2 - 4.
d) 2 - 4 - 3 - 1.

39) Com relação às teorias de Martin Heidegger, assinalar a alternativa que preenche as lacunas abaixo CORRETAMENTE:
Heidegger criticou aquilo que considerava uma confusão entre ente e ser, ocorrida ao longo da história da Filosofia. Para ele, o ente é a __________, a manifestação dos modos de ser. O ser é a __________, aquilo que fundamenta e ilumina a existência ou os modos de ser. A partir dessa diferenciação é possível estabelecer duas fases da Filosofia Heideggeriana. A primeira caracteriza-se pela busca do conhecimento do ser por meio da análise do ente humano, da existência humana. Na segunda, o ente sai do primeiro plano e o próprio ser torna-se a chave para a compreensão da existência.
a) existência - essência
b) essência - existência
c) angústia - alteridade
d) alteridade - angústia

40) Gnosiologia é o campo de estudos filosóficos que se dedica à questão do conhecimento. Essa área também é conhecida como teoria do conhecimento, epistemologia ou crítica do conhecimento. Muitos foram os filósofos e teorias que construíram essa área de estudo. Com relação às ideias e aos autores da epistemologia, numerar a 2ª coluna de acordo com a 1ª e, após, assinalar a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
(1) Empirismo.
(2) Idealismo.
(3) Racionalismo.
( ) É o sujeito que predomina em relação ao objeto, isto é, a percepção da realidade é produzida pelas nossas ideias, pela nossa consciência.
( ) "Nada há no intelecto que antes não tenha passado pelos sentidos."
( ) "Não devemos nos deixar persuadir senão pela evidência de nossa razão."
( ) O filósofo inglês John Locke (1632-1704) é um dos principais representantes deste pensamento.
( ) O filósofo francês René Descartes (1596-1650) é um dos principais representantes deste pensamento.
a) 2 - 1 - 3 - 1 - 3.
b) 2 - 2 - 1 - 3 - 1.
c) 3 - 1 - 2 - 3 - 1.
d) 3 - 2 - 2 - 1 - 3.

GABARITO:
31) D
32) B
33) C
34) C
35) B
36) D
37) B
38) D
39) A
40) A
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.