Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(13/Abr) São Leopoldo - RS - Fundatec - 2016
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

QUESTÃO 36 - Nos últimos anos, o Ministério da Educação produziu documentos que oferecem orientações concernentes ao ensino da Filosofia. Em 2006, as Orientações Curriculares para o Ensino Médio, em seu volume 3, dedicado às Ciências Humanas e suas Tecnologias, apresentam um capítulo dedicado aos "Conhecimentos de Filosofia". Em relação ao ensino de Filosofia no Ensino Médio, esse documento:
A) Propõe uma lista fechada de conteúdos, restringindo a autonomia do professor.
B) Insiste na centralidade da História da Filosofia como fonte para o tratamento adequado de questões filosóficas.
C) Propõe a substituição do texto e de conceitos filosóficos por métodos dinâmicos de formação da consciência dos estudantes.
D) Propõe um mínimo de uma hora-aula semanal para a disciplina, apontando, ademais, que deva ser ministrada em uma série do Ensino Médio.
E) Defende que o tratamento correto dos temas filosóficos no Ensino Médio é transdisciplinar e transversal, sem necessidade de constituir- se como componente curricular.

QUESTÃO 37 - "Como Hume afirma, é claro que a razão pode mostrar-nos que meios usar dados os fins que temos. Se quero ter saúde, a razão pode dizer-me que devo parar de fumar. Neste caso, a razão fornece um imperativo que na sua forma é __________: diz que devo parar de fumar se quiser proteger a minha saúde. Hume pensava que a razão não pode fazer mais do que isto. Todavia, Kant defendeu que as regras morais são ____________ na sua forma (...). Um ato que é errado, é errado - ponto final. As regras morais dizem "Não faças x". Não dizem "Não faças x se o teu fim é G"." (SOBER, 2016).
Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas do trecho acima.
A) empírico - a priori
B) hipotético - analíticas
C) hipotético - categóricas
D) empírico - normativas
E) normativo - proposicionais

QUESTÃO 38 - As Orientações Curriculares para o Ensino Médio, em seu volume 3, dedicado às Ciências Humanas e suas Tecnologias (2006), destacam que "uma indicação clara do que se espera do professor de Filosofia no Ensino Médio pode ser encontrada nas Diretrizes Curriculares aos Cursos de Graduação em Filosofia e pela Portaria INEP nº 171/2005, que instituiu o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) de Filosofia, que também apresenta as habilidades e as competências esperadas do profissional responsável pela implementação das diretrizes para o Ensino Médio (...)". Os documentos citados apresentam um conjunto de competências e habilidades esperadas do professor de Filosofia no Ensino Médio, quais sejam:
I. Compreensão da importância das questões acerca do sentido e da significação da própria existência e das produções culturais.
II. Percepção da integração necessária entre a filosofia e a produção científica, artística, bem como com o agir pessoal e político.
III. Capacitação para um modo especificamente filosófico de formular e propor soluções a problemas, nos diversos campos do conhecimento.
IV. Capacidade para análise, interpretação e comentário de textos teóricos, segundo os mais rigorosos procedimentos de técnica hermenêutica.
Quais estão corretas?
A) Apenas I.
B) Apenas III.
C) Apenas II e IV.
D) Apenas I, II e III.
E) I, II, III e IV.

QUESTÃO 39 - Um argumento é chamado de entimema quando
A) algumas premissas necessárias para torná-lo válido são enunciadas ou apresentadas de maneira tácita e não explícita.
B) tem a forma lógica "se A então B; A; logo B".
C) a verdade da conclusão não se segue necessariamente da verdade das premissas.
D) contém um conjunto incoerente de premissas.
E) a inferência das premissas para a conclusão está fundamentada em uma indução empírica.

QUESTÃO 40 - Ao longo da História da Filosofia, vários filósofos se debruçaram sobre os argumentos para provar racionalmente a existência de Deus. Dentre eles, um dos mais célebres consiste em inferir a existência de Deus, na sua definição, como um ser perfeito. Essa forma argumentativa ressurgiu em diversos momentos da História da Filosofia na obra de autores como Anselmo da Cantuária, Descartes e Leibniz. Essa forma geral de argumentar a existência de Deus ficou conhecida como argumento
A) da causa final.
B) do desígnio.
C) cosmológico.
D) ontológico.
E) das cinco vias.

QUESTÃO 41 - "Pelo menos desde Sócrates, os filósofos gregos refletem sobre a vida humana. Algumas escolas filosóficas antigas fizeram desse tema uma preocupação central e desenvolveram a ética como forma de "arte de viver", uma reflexão constante sobre a vida e um trabalho permanente de cada um sobre sua própria vida." (GALLO, 2014). Algumas dessas escolas se difundiram durante o período helenístico. Uma dessas escolas ganhou popularidade com Diógenes de Sinope. Sua filosofia apresentava-se como uma crítica aos costumes instituídos, lançando mão de recursos humorísticos e da ironia. Essa escola ficou conhecida como:
A) Cinismo.
B) Estoicismo.
C) Epicurismo.
D) Neoplatonismo.
E) Pitagorismo.

QUESTÃO 42 - "Há crianças vendidas por pais extremamente pobres a quem tem dinheiro e falta de escrúpulos para as comprar; pessoas cujo rendimento não permite fazer mais do que uma refeição por dia; jovens que não têm a menor possibilidade de adquirir pelo menos a escolaridade básica; cidadãos que estão presos por terem defendido as suas ideias. Perante casos destes, sentimos que as nossas intuições morais de justiça e igualdade não são respeitadas. Surge assim a pergunta: Como é possível uma sociedade justa? Este problema pode ter formulações mais precisas. Uma delas é a seguinte: Como deve uma sociedade distribuir os seus bens? Qual é a maneira eticamente correta de o fazer? Trata-se do problema da justiça distributiva. A pergunta que o formula é a seguinte: Quais são os princípios mais gerais que regulam a justiça distributiva? A teoria da justiça de John Rawls é uma das respostas mais influente a este problema". (VAZ, 2006). John Rawls, na sua obra Uma teoria da justiça (1971), argumenta que a maneira pela qual podemos entender a justiça é perguntando a nós mesmos - como pessoas racionais e com interesses próprios - com quais princípios de organização da sociedade concordaríamos em uma situação originária. De acordo com o argumento contratualista proposto por Rawls, a situação originária é concebida como:
A) Um estado de natureza.
B) Um estado de bem-estar coletivo.
C) Uma situação hipotética de equidade.
D) Uma situação de guerra de todos contra todos.
E) Um estado de paz perpétua.

QUESTÃO 43 - "Imagine que um ser humano foi submetido a uma cirurgia por um cientista do mal. O cérebro da pessoa foi retirado do corpo e colocado numa cuba com nutrientes que o mantêm vivo. As terminações nervosas foram conectadas a um supercomputador científico que faz com que a pessoa tenha a ilusão de que tudo está perfeitamente normal. Parecem existir pessoas, objetos, o céu, etc.; mas, na verdade, tudo o que a pessoa experimenta é resultado de impulsos eletrônicos que viajam do computador para as terminações nervosas". (DUPRE, 2015). Esse experimento mental, conhecido como "o cérebro numa cuba", na sua versão contemporânea foi criado pelo filósofo norte-americano Hilary Putnam. Na sua essência, o experimento é uma versão do argumento do gênio maligno, elaborado pelo filósofo René Descartes no século XVII. Em ambos os casos, podemos dizer que esse tipo de experimento mental tem, em um primeiro momento, em relação à existência do mundo exterior, um resultado:
A) Dogmático.
B) Apodítico.
C) Cético.
D) Naturalista.
E) Contraditório.

QUESTÃO 44 - O objetivo de um argumento é expor as razões (premissas) que sustentam uma conclusão. Um argumento é falacioso quando parece que as razões apresentadas sustentam a conclusão, mas na realidade não sustentam. Da mesma maneira que há padrões típicos, largamente usados, de argumentação correta, também há padrões típicos de argumentos falaciosos. A tradição lógica e filosófica procurou fazer um inventário e dar nomes a essas falácias típicas. Identifique o tipo de falácia descrito a seguir e assinale a alternativa correta:
Os argumentos desta classe concluem que algo é verdadeiro por não se ter provado que é falso; ou conclui que algo é falso porque não se provou que é verdadeiro.
A) Apelo à ignorância.
B) Apelo à emoção.
C) Apelo à violência.
D) Falso dilema.
E) Ad hominem.

QUESTÃO 45 - "Rousseau concorda com Hobbes, contra Locke, que num estado de natureza não há direitos de propriedade e, consequentemente, também não há justiça nem injustiça. Mas à medida que a sociedade se desenvolve a partir do seu estado primitivo, a falta de tais direitos começa a ser sentida. A cooperação econômica e o progresso técnico tornam necessária a formação de uma associação para a proteção das pessoas e das posses dos indivíduos. Como poderá isto ser feito, permitindo ao mesmo tempo que cada membro da associação permaneça tão livre quanto o era antes? O Contrato Social dá a solução apresentando o conceito de vontade geral." (KENNY, 2016). De acordo com a perspectiva de Jean-Jacques Rousseau, a vontade geral pode ser compreendida como:
A) A vontade da maioria dos cidadãos reunidos numa assembleia política, ou seja, aquela que é expressa pelo voto censitário.
B) A vontade de todos os cidadãos reunidos no momento originário do contrato social, ou seja, a essência egoísta da natureza humana.
C) A soma das vontades particulares dos cidadãos numa situação de democracia parlamentarista, ou seja, a vontade resultante da argumentação retórica.
D) Aquela que traduz o que há de comum em todas as vontades individuais, ou seja, o substrato coletivo das consciências.
E) A vontade do governo representativo de uma classe política, ou seja, a essência de um governo autoritário.

GABARITO:
36 B
37 C
38 E
39 A
40 D
41 A
42 C
43 C
44 A
45 D
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.