Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(23/Mar) Prova e Gabarito - Professor de Filosofia - Prefeitura Municipal de Tucuruí - Pará - Universidade da Amazônia - 2006
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

NAS QUESTÕES NUMERADAS DE 11 A 20, ASSINALE A ÚNICA ALTERNATIVA QUE RESPONDE CORRETAMENTE AO ENUNCIADO.

11. Na linguagem comum e mesmo na culta, segundo Boff (2003), ética e moral são sinônimas. Identificamos a ética com a moral pelo fato de terem as mesmas origens etimológicas. Mas a ética distingue-se da moral. Podemos afirmar que a origem etimológica de ética e moral é, respectivamente:
A) "ethos" e "mores", ambos com o significado de "morada humana" ou "modo de ser".
B) "ethos" e "pathos", ambos com o significado de "modo de ser" ou "costumes".
C) "mores" e "ethos", ambos com o significado de "morada humana" ou "modo de ser".
D) "mores" e "pathos", ambos com o significado de "costumes" ou "morada humana".

12. Podemos afirmar que a moral distingue-se da ética pelas seguintes características:
A) situa-se no plano teórico e reflexivo e pauta-se em princípios universais.
B) situa-se no plano das práticas sociais, sendo um fenômeno complexo e pauta-se em princípios universais.
C) situa-se no plano das práticas sociais, sendo um fenômeno particular e plural.
D) situa-se no plano teórico-reflexivo, sendo um fenômeno singular e plural.

13. A sociedade contemporânea defronta-se com acontecimentos como a intolerância étnica e situações de desigualdades e injustiças sociais crescentes, provenientes das contradições do capitalismo e do processo da globalização econômica, que demarcam a existência de uma crise paradigmática no campo da ciência e que interfere na política, na cultura, na educação e nas práticas sociais. Estamos saindo do século "das certezas" para o "das dúvidas", constituindo-se a ética uma das questões fundamentais de debate no contexto da pós-modernidade. É correto afirmar que a ética, na perspectiva pós-moderna, busca superar a moral:
A) tradicional do liberalismo econômico e político, que compreende a ética como ações de solidariedade entre pessoas e de comunicações simétricas entre os indivíduos.
B) tradicional do liberalismo econômico e político, que compreende a ética como exclusiva das vontades e do livre-arbítrio de cada indivíduo, constituindo-se a organização do sistema econômico-político-jurídico uma coisa "natural" e "neutra".
C) racionalista, abstrata e individualista, que considera a organização do sistema econômico-social numa perspectiva crítica e política.
D) racionalista, abstrata e individualista, que considera como referência ética a vida humana a ser produzida, reproduzida e desenvolvida em comunidade.

14. A Ética de Dussel, denominada Ética da Libertação, difere da ética Kantiana ao estabelecer como referência ética a(s):
A) idéia de liberdade, os valores e as virtudes humanas, afirmando a racionalidade e a vontade do ser humano.
B) necessidades concretas do ser humano, os valores e as virtudes humanas e o dever-ser dos indivíduos em sociedade.
C) eticidade, afirmando a vontade, o livre-arbítrio e o dever-ser dos indivíduos em sociedade.
D) necessidades concretas do ser humano e a eticidade, afirmando a possibilidade de ser dos indivíduos em sociedade.

15. Para Aranha e Martins (2002), assim como o mito e a ciência são modos de organização da experiência humana, a arte transforma a experiência vivida em objetos de conhecimento. Nesta perspectiva, a arte se constitui em uma forma de pensamento, sendo definida como conhecimento:
A) intuitivo do mundo, vinculado ao sentimento e à imaginação.
B) imaginativo do mundo, vinculado ao sentimento e aos discursos explicativos e conceituais.
C) racional do mundo, vinculado à emoção e à imaginação.
D) intuitivo do mundo, vinculado a discursos explicativos e a representações de signos abstratos e conceituais.

16. Marcuse e Adorno, teóricos da Escola de Frankfurt, analisam criticamente o fato dos bens culturais, concretizados em obras literárias, filosóficas e de artes, pela revolução tecnológicaindustrial, terem deixado de ser objetos de luxo, destinados a uma elite, e convertidos em bens de consumo de massa. Podemos afirmar que o significado de Indústria cultural é a forma:
A) de desenvolvimento da arte na sociedade capitalista, constituindo-se em processo concreto de democratização e de justiça social.
B) de disseminar, critica e democraticamente, a arte no mercado capitalista.
C) pela qual a produção artística e cultural é organizada no contexto das relações capitalistas de produção, lançada no mercado e por este consumida como mercadoria.
D) pela qual a produção artística e cultural é organizada no contexto das relações capitalistas de produção, superando a alienação e a divisão entre a cultura erudita e a cultura de massa.

17. As concepções de educação, na visão de Oliveira (2003) expressam uma visão de ser humano, de vida, de sociedade e de mundo. Educa-se que ser humano? Para que sociedade? Na educação brasileira, encontramos tendências pedagógicas tanto reprodutivistas quanto emancipadoras. A Pedagogia Nova, assim como a Pedagogia Tradicional são classificadas como reprodutivistas alienantes, mas se distinguem em seus pressupostos filosóficos e pedagógicos. Podemos afirmar que a Pedagogia Nova tem como concepção de ser humano e como diretrizes educacionais, respectivamente:
A) ser humano como indivíduo capaz de conhecer o real, mediante uma metodologia experimental. Educação centrada na criança e no desenvolvimento de sua capacidade cognitiva e emocional.
B) ser humano como ser racional, constituído por uma essência imutável. Educação centrada na criança e no desenvolvimento de sua capacidade cognitiva e social.
C) ser humano como projeto de seus atos, indivíduo único e situado no tempo e no espaço.
Educação centrada na criança e no desenvolvimento de suas potencialidades individuais.
D) ser humano compreendido como ser social, político e de práxis. Educação centrada na criança e no desenvolvimento de sua capacidade cognitiva e política.

18. Louis Althusser considera o Estado constituído por um Aparelho Repressivo do Estado (ARE) e por Aparelhos Ideológicos do Estado (AIE). A escola é um dos aparelhos ideológicos do Estado por que:
A) transmite o saber produzido pela classe dominante, tornando-se instrumento de manutenção do status quo e das relações sociais de produção.
B) reproduz a formação dos agentes responsáveis pela operacionalização do sistema de produção, visando à transformação do status quo e das relações de produção.
C) interage o saber da classe dominante com o saber da classe dominada como estratégia de manutenção do status quo e das relações de produção.
D) mantém a ideologia do Estado, visando à democratização do saber escolar e as relações de produção.

19. A educação brasileira, em função da globalização da economia, apresenta-se fortemente demarcada pelo ideário político e social neoliberal, sendo uma de suas características ter intenções progressistas com argumentos conservadores, configurando a educação como "qualidade total". É correto afirmar que o conceito de qualidade total na educação neoliberal objetiva:
A) introduzir, no sistema educacional, mecanismos do mercado, com ênfase na livre iniciativa no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem e na busca da descentralização administrativa.
B) estabelecer uma nova mentalidade empresarial, cuja característica é a flexibilidade e a autonomia gerencial, a ênfase no currículo e a busca pela descentralização administrativa.
C) introduzir no sistema educacional mecanismos do mercado, visando ao desenvolvimento de competências técnicas, éticas e políticas dos atores educacionais, mantendo a flexibilidade no processo de avaliação.
D) estabelecer uma nova mentalidade empresarial, cuja característica é a flexibilidade e a autonomia gerencial, a ênfase no controle e na avaliação e a busca da racionalização administrativa.

20. A educação multicultural crítica contrapõe-se à educação neoliberal, trazendo para debate na educação brasileira a questão da eqüidade. É correto afirmar, como características da educação multicultural crítica:
A) respeito à diferença cultural, vista a diversidade como constitutiva da natureza humana e fator de identidade nacional.
B) respeito à diversidade cultural e ao pluralismo de idéias de forma interacionista, democrática e solidária.
C) respeito à diferença cultural, formando harmonicamente o cidadão para a tolerância e para a solidariedade, ocultando os conflitos por fatores de classe, etnia e gênero.
D) respeito à diversidade cultural e ao pluralismo de idéias de forma hegemônica, democrática e solidária.

NAS QUESTÕES NUMERADAS DE 21 A 30, ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CONTÉM AS AFIRMATIVAS CORRETAS.

21. Sobre a atitude espontânea do senso comum e a ciência, podemos afirmar:
I- Enquanto no senso comum o homem busca os princípios lógicos que regem o pensamento coerente; a ciência afirma que, pela magia, o homem pode libertar-se do medo e das superstições.
II- O senso comum é subjetivo, isto é, exprime sentimentos e opiniões individuais e de grupo, variando de uma pessoa para outra, ou de um grupo para outro; o conhecimento científico é objetivo, isto é, procura as estruturas universais e necessárias das coisas investigadas.
III- O senso comum é, sim, uma "visão de mundo", fragmentária e, por vezes, até contraditória, mas a teoria científica é um sistema ordenado e coerente de proposições ou enunciados.
IV- O senso comum julga útil o que dá prestígio, fama, poder e riqueza e por isso todo conhecimento só será válido se considerarmos essas pretensões; a ciência "desconfia" da veracidade de nossas certezas, de nossa adesão imediata às coisas, da ausência de crítica e da falta de curiosidade.
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

22. Acerca do começo histórico da Filosofia podemos dizer:
I- Os primeiros filósofos gregos surgiram por volta de fins do século VII a.C. e durante o século VI a.C. nas colônias gregas da Ásia Menor, na região da Jônia, e ficaram conhecidos como présocráticos.
II- A Filosofia surgiu como uma explicação da produção natural das coisas por elementos e causas naturais e impessoais.
III- A invenção da política grega introduziu três aspectos novos: a idéia da lei, o surgimento de um espaço público e a estimulação de um pensamento e um discurso público. Isto foi decisivo para o começo histórico da Filosofia.
IV- A tese do "milagre grego" queria dizer que a Filosofia surgiu de forma planejada, onde os gregos utilizaram métodos sistemáticos de reflexão.
As afirmativas corretas são, apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

23. O Grande Racionalismo Clássico, na Filosofia Moderna, ficou conhecido porque:
I- Descartes, ao analisar o processo pelo qual a razão atinge a verdade, usa o recurso da dúvida metódica.
II- Descartes afirmou que a verdade, além de ser verdade de fato e de ser obtida pela indução e por experimentação, deve ter como critério sua eficácia ou utilidade.
III- através do seu Racionalismo, Descartes tornou famosa toda a sua Escola com a célebre proposição: "a existência precede a essência".
IV- Descartes introduziu uma grande modificação no pensamento moderno, segundo a qual o conhecimento verdadeiro é puramente intelectual e parte das idéias inatas.
As afirmativas corretas são, apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

24. Sobre o empirismo inglês, podemos afirmar que:
I- Segundo Locke, há duas espécies de conhecimentos: conhecimento aparente (mundo sensível) e conhecimento verdadeiro (mundo inteligível). Essa dualidade ficou conhecida, em Filosofia, pelo nome de "revolução copernicana".
II- Nossos conhecimentos começam com a experiência dos sentidos, isto é, com as sensações.
III- Locke é o iniciador da Teoria do Conhecimento propriamente dita, porque se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos.
IV- Segundo Locke, há pelo menos três tipos de idéias: as idéias inatas, que são verdadeiras, as idéias adventícias, que são falsas, e as idéias fictícias, que são as nossas fantasias.
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

25. Sobre o Idealismo Filosófico, podemos afirmar:
I- O Idealismo afirma que todo conhecimento emana do objeto, pois toda idéia só será verdadeira à medida que corresponde ao que as coisas realmente são e ao modo como elas são.
II- Doutrina filosófica que, na sua aproximação da realidade, coloca em primeiro lugar o modo como se processa o conhecimento na consciência de quem conhece e somente em segundo lugar a realidade que é conhecida.
III- Doutrina filosófica que afirma que somente podemos conhecer com certeza nossas idéias, ou seja, o mundo interior da nossa consciência, o mundo da subjetividade.
IV- O conhecimento tem sua origem na experiência dos sentidos. Somente posso conhecer através das minhas sensações.
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

26. Segundo a dialética Idealista de Hegel, podemos afirmar:
I- O movimento da dialética se faz em três etapas: tese (afirmação), antítese (negação) e a síntese (negação da negação).
II- O mundo material é anterior ao espírito e este deriva dele.
III- O movimento é a propriedade fundamental da matéria e existe independente da consciência.
IV- O mundo é a manifestação da Idéia, "o real é racional e o racional é real".
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

27. Sobre o Materialismo Dialético de Karl Marx está certo dizer:
I- O materialismo parte do princípio de que o mundo e as suas leis são incognoscíveis.
II- A dialética olha a natureza como um estado de movimento e transformação perpétuos, de renovação e desenvolvimento incessantes, em que sempre nasce e desenvolve-se qualquer coisa, desagrega-se e desaparece qualquer coisa.
III- O materialismo filosófico parte do princípio de que o mundo, pela natureza, é material, que o múltiplo fenômeno do universo são os diferentes aspectos da matéria em movimento.
IV- Ao contrário da Metafísica, a dialética olha a natureza como um todo unido, coerente, e, os objetos, os fenômenos, estão ligados organicamente entre si, dependem uns dos outros e condicionam-se reciprocamente.
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

28. Sobre Filosofia Política, podemos dizer que:
I- Nicolau MAQUIAVEL recusa a figura do bom governo, encarnada no príncipe virtuoso, portador das virtudes cristãs. O príncipe precisa ter virtu, mas esta é propriamente política, referindo-se às qualidades do dirigente para tomar e manter o poder, mesmo que para isso deva usar a violência, a mentira, a astúcia e a força.
II- Para Jean-Jacques ROUSSEAU, o soberano é o governante, entendido como vontade geral, pessoa moral coletiva livre e que defende a propriedade privada; os governados se submetem às leis e à autoridade do governante e, como súditos, jamais exercem a cidadania.
III- John LOCKE desenvolve uma teoria socialista que desmistificou a política liberal. Para ele, as relações fundamentais de toda sociedade humana são as relações de produção, que correspondem a um certo estágio das forças produtivas.
IV- Para Thomas HOBBES, quando os interesses egoístas predominam, cada um se torna um lobo para o outro (homo homini lupus). As disputas provocam a guerra de todos contra todos (bellum omnium contra omnes), com graves prejuízos para a indústria, a agricultura, a navegação, o desenvolvimento da ciência e o conforto de todos.
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

29. Sobre a razão instrumental, podemos dizer:
I- Segundo os frankfurtianos, a razão instrumental nasce quando o sujeito do conhecimento toma a decisão de que conhecer é dominar e controlar a Natureza e os seres humanos.
II- Na medida em que a razão se torna instrumental, a ciência vai deixando de ser uma forma de acesso aos conhecimentos verdadeiros, para tornar-se um instrumento de dominação, poder e exploração.
III- A noção de razão instrumental nos permite compreender que as idéias de progresso técnico e neutralidade científica pertencem ao campo da ideologia cientificista.
IV- A razão instrumental também foi designada com a expressão razão iluminista, pelos frankfurtianos Weber e Althusser.
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

30. Que aspectos constituem a ideologia da ciência na sociedade contemporânea?
I- Sob o aspecto do cientificismo e da ilusão da neutralidade, a ciência pode e deve conhecer tudo desinteressadamente.
II- Crença no progresso e na evolução dos conhecimentos que, um dia, explicarão totalmente a realidade e permitirão manipulá-la tecnicamente, sem limites para a ação humana.
III- Crença na ciência como se fosse magia e poderio ilimitado sobre as coisas e os homens.
IV- Sob o aspecto de que o conhecimento científico procura as estruturas universais e necessárias das coisas investigadas, por isso a ciência aspira à objetividade.
As afirmativas corretas são apenas:
A) I, II e III.
B) II e III.
C) II, III e IV.
D) I e IV.

G A B A R I T O

11 A
12 C
13 B
14 D
15 A
16 C
17 C
18 A
19 D
20 B
21 C
22 A
23 D
24 B
25 B
26 D
27 C
28 D
29 A
30 A
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.