Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas
 Jornais Brasileiros

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Loja virtual
 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charge da Semana
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(24/Jan) Prova e Gabarito - Professor de Filosofia - Município de Lucas do Rio Verde - MT - MSCONCURSOS - 2011
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

21. Dentre as teorias contemporâneas de aprendizagem, destaca-se a que implica em estudar cientificamente a aprendizagem como um produto resultante do ambiente, das pessoas ou de fatores externos a elas. Preocupa-se em como as pessoas lidam com estímulos ambientais, organizam dados, sentem e resolvem problemas, adquirem conceitos e empregam símbolos. Esse pressuposto refere-se à teoria:
a) Associacionista.
b) Comportamentalista.
c) Cognitivista.
d) Humanista.

22. Na teoria sociointeracionista, a criança aprende e se desenvolve a partir do contato com o meio em que vive e com as pessoas de seu convívio. Para Vigotsky, o funcionamento psicológico estrutura-se a partir das relações sociais estabelecidas entre a criança e o mundo exterior. Nesta perspectiva, o papel do professor é:
a) Ser o responsável pela realização das atividades educativas em grupo que estimulem a uniformidade.
b) Ser mediador das relações sociais, na qual a linguagem ocupa papel central no desenvolvimento da criança.
c) Aplicar o currículo e desenvolver técnicas e estratégias de comunicação com intencionalidade educativa.
d) Preocupar-se em ensinar as normas de comportamentos preestabelecidos socialmente.

23. A LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96, em seu Artigo 24, inciso V, estabelece que a verificação do rendimento escolar observará os seguintes critérios:
a) Avaliação contínua com obrigatoriedade de recuperação.
b) Avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno.
c) Avaliação cumulativa prevalecendo os aspectos quantitativos dos resultados ao longo do período letivo.
d) Avaliação cumulativa com possibilidade de avanço nos cursos e nas séries.

24. Dentre as práticas pedagógicas encontra-se a avaliação do processo ensino e aprendizagem. De acordo com Bloom (1993), há três tipos de avaliação: diagnóstica, formativa e somativa. Assinale a afirmativa CORRETA:
a) A avaliação somativa tem como função replanejar os conteúdos de ensino.
b) A avaliação diagnóstica aplica-se especificamente no início do ano letivo.
c) A avaliaçaõ somativa permite aperfeiçoar as aprendizagens em curso sem a preocupação de classificar.
d) A avaliação formativa tem função controladora, orientadora e motivadora.

25. De acordo com Libâneo, o planejamento é um processo de racionalização, organização e coordenação da ação docente, articulando a atividade escolar e a problemática do contexto escolar. Para que os planos sejam efetivamente instrumentos para a ação, devem ser como um guia de orientação e devem:
a) Apresentar ordem sequencial, objetividade, coerência e flexibilidade.
b) Apresentar objetividade, ordem sequencial e avaliação.
c) Assegurar a elaboração e transmissão dos conteúdos.
d) Prever objetivos e conteúdos independentes das condições socioculturais dos alunos.

26. Como afirma Libâneo (1994, p. 225), "O planejamento não assegura, por si só, o andamento do processo de ensino". O importante é que o planejamento sirva para o professor e para os alunos, que ele seja útil e funcional a quem se destina objetivamente, através de uma ação consciente, responsável e libertadora. Os elementos fundamentais para a elaboração do plano de aula são:
a) Objetivos, conteúdos, exequibilidade e avaliação.
b) Objetivos, conteúdos, intencionalidade e avaliação.
c) Objetivos, conteúdos, estratégias e avaliação.
d) Objetivos, atividades, recursos e avaliação.

27. Assenta-se nos princípios da Pedagogia Progressista mais valor à relação professor/aluno, na qual "educador e educandos são sujeitos do ato de conhecimento, eliminando-se toda atitude de autoritarismo". De acordo com essa concepção, ao professor cabe:
a) Administrar as condições de transmissão dos conteúdos e mediar os conflitos de relacionamentos entre os alunos.
b) Selecionar, organizar os conteúdos e os métodos de aprendizagem, participação e memorização.
c) Propor conteúdos e métodos compatíveis com as experiências dos alunos, mobilizando-os para uma participação ativa.
d) Ser apenas um elo entre o conhecimento e o aluno, mediando os problemas de relacionamento que interferem no processo de ensino e aprendizagem.

28. A avaliação escolar desenvolve-se nos diferentes momentos do processo ensino e aprendizagem. Na perspectiva de uma avaliação mediadora, as práticas avaliativas:
a) Fundamentam-se em dados quantitativos a partir das respostas apresentadas pelos alunos nas atividades propostas.
b) Baseiam-se em formas padronizadas de instrumentos avaliativos como: tarefas, exercícios, provas e testes.
c) Devem ser parciais tendo em vista a capacidade de memorização dos alunos.
d) Exigem a observação individual de cada aluno, atenta ao seu momento no processo de construção do conhecimento.

29. Saviani (2005), seguindo a lógica da teoria dialética de elaboração do conhecimento científico, explicita o movimento do pensamento em três grandes momentos: ao momento de afirmação, ou seja, o momento de explicitar a visão de conjunto do todo; o momento de mediação, de negação da visão inicial e o momento em que se estabelece uma nova totalidade, concreta, caracterizada por novas relações e determinações. Esses momentos denominam-se, respectivamente:
a) Síncrese, análise e síntese.
b) Análise, intervenção e síntese.
c) Análise, mediação e síntese.
d) Teorização, análise e síntese.

30. "[...] o professor com autoridade é também aquele que deixa transparecer as razões pelas quais a exerce: não por prazer, não por capricho, nem mesmo por interesses pessoais, mas por um compromisso genuíno com o processo pedagógico, ou seja, com a construção de sujeitos que, conhecendo a realidade, disponha-se a modificá-la em consonância com um projeto comum". (Vasconcellos, 1995, p. 44). Nesse sentido, a educação escolar por meio da autoridade e da disciplina deve:
a) Apostar na liberdade e permissividade dos alunos.
b) Despertar no aluno o senso de cidadania, de igualdade, de justiça, de direitos e deveres.
c) Estabelecer um conjunto de regras e valores que delimitam a liberdade.
d) Ter como base de poder disciplinar o currículo, elemento fundamental na organização pedagógica.

31. A ética ativa em nós a capacidade de pensar; ela nos leva a agir; tem a potencialidade de religar-nos aos outros; desdobra-se em diálogo; requer compromisso. Por outro lado, ela é vivida subjetivamente, pois cada pessoa busca garantir o espaço que lhe é próprio; por outro lado, leva-nos a descentrar-nos e desenvolver o altruísmo (AGOSTINI, Nilo - p.10, 2010). Entende-se por "altruísmo":
a) A disposição que inclina o ser humano a se dedicar aos outros.
b) A intervenção divina ou sobrenatural sobre as ações humanas.
c) A disposição para o egocentrismo.
d) A negação do apego, da veneração e da bondade humana.

32. As leituras na linha da pós-modernidade captam, por sua vez, o fracasso dos sistemas unitários e totalizantes dos grandes relatos ideológicos e passam a valorizar a diferença, o pluralismo, a relativização, a desconstrução, o dissenso e o diferindo. Colocam em cena e dão cidadania aos muitos estilos díspares, ao próprio de cada linguagem e formas de vida, à fruição instantânea. É como "dançar nos abismos" (Nietzsche). A afirmação da proposição em destaque, segundo Nilo Agostini, p. 15, 2010, significa:
a) Dançar diante da libertação ética e estética de novas possibilidades.
b) Que o projeto moderno não foi concluído e, além disso, contém uma utopia a se realizar.
c) A modernidade, enquanto movimento histórico-cultural, caracteriza-se pelas revoluções científica, política e cultural.
d) Buscar a unidade na ação e na razão comunicativa.

33. Para Sócrates a Ética é uma ciência e pode ser ensinada e que a consciência, uma vez esclarecida, conduz a vontade ao Bem; este não é senão o conjunto de proposições fruto do acordo entre o indivíduo consigo mesmo e com os outros (AGOSTINI, Nilo - p. 24, 2010). Assim, a educação dos cidadãos consiste, numa tarefa ética primordial. Essa tarefa (doutrina) da ética é chamada de:
a) Intelectualismo moral.
b) Maiêutica.
c) Ironia.
d) Virtude.

34. Aristóteles, longe do rigorismo moral de Platão, não dispensa nada desse mundo. A verdade não está fora desse mundo. Para ele, "o universo aparece como uma imensa hierarquia de planos da realidade subtendidos, orientados, "aspirados" por um movimento de conjunto em direção à Perfeição; todo indivíduo é duplo, composto de uma "matéria" (uma capacidade indefinida e confusa a transformar) e de uma "forma" (uma tendência à organização, à realização estruturada das qualidades potenciais da matéria). Numa escala de ascensão contínua chega-se aos níveis superiores, uma Forma das formas, identificada como Deus, o Bem ou o primeiro Motor, sendo o topo da pirâmide, o que ama sendo atraído pelo objeto amado" (AGOSTINI, Nilo - p. 28-29, 2010). Sabemos que os primeiros tratados de ética foram elaborados por Aristóteles. Assinale a alternativa que apresenta o tratado ético elaborado por Aristóteles:
a) Ética a Nicômaco.
b) Ética a Dianoética.
c) Ética a Diacômaco.
d) Ética a Nicômalo.

35. A felicidade, para Aristóteles, não corresponde à busca de riquezas, de honrarias, pois estas são apenas "meios". É, antes, fruto da busca do bem perfeito, desejado por si mesmo e não como meio, que torna o ser humano "autossuficiente". A palavra "felicidade" como meio para alcançar o Fim que desejamos por si mesmo é traduzida na filosofia aristotélica por:
a) Eudaimonia.
b) Experdise.
c) Eugenia.
d) Maiêutica.

36. À medida que o cristianismo transforma-se em religião oficial do Império Romano e passa a ser a referência principal para a sociedade, destaca-se a emergência da ética cristã. O predecessor das éticas medievais é:
a) Zenão de Cítio.
b) Boaventura de Bagnoregio.
c) Tomás de Aquino.
d) Agostinho de Tagaste.

37. Segundo Alfred N. Whitehead, "a história da filosofia moderna é a história do desenvolvimento do cartesianismo em seu duplo aspecto, de idealismo e de mecanicismo. Ou seja, o desenvolvimento da filosofia moderna avança à medida que desdobra as temáticas subjacentes à res cogitans e à res extensa" (AGOSTINI, Nilo - p. 42, 2010). Whitehead, ao referir-se à coisa pensante e a tudo que é extenso e divisível, está referindo-se a filosofia de:
a) Friedrich Nietzsche.
b) Immanuel Kant.
c) David Hume.
d) René Descartes.

38. Considerando as éticas da era da "consciência" (Nilo Agostini- p 41-50), relacione os seguintes filósofos aos pensamentos apresentados e defendidos por eles:
I - René Descartes.
II - David Hume.
III - Immanuel Kant.
IV - Friedrich Nietzsche.
( ) A razão humana é entendida como reta razão (bona mens), que pertence a todos os seres humanos, sendo esta a "a coisa mais bem distribuída no mundo".
( ) Refuta o racionalismo e funda seu pensamento na experiência sensível. Para ele, as paixões e os desejos são fontes diretas e imediatas das ações.
( ) A verdadeira moralidade supõe um verdadeiro respeito pelos valores que estão implícitos na obediência aos imperativos categóricos.
( ) Rejeita a possibilidade do juízo moral, pois toda moral é condicionada e particular, uma mera possibilidade histórica.
A sequência CORRETA é:
a) IV, II, III e I.
b) I, IV, II e III.
c) IV, III, II e I.
d) I, II, III e IV.

39. Não há como educar fora do mundo. Nenhum educador, nenhuma instituição educacional pode colocar-se à margem do mundo, encarapitando-se numa torre de marfim. A educação, de qualquer modo que a entendamos, sofrerá necessariamente o impacto dos problemas da realidade em que acontece, sob pena de não ser educação. Em função dos problemas existentes na realidade é que surgem os problemas educacionais, tanto mais complexos quanto mais incidem na educação todas as variáveis que determinam uma situação. Deste modo, a "Filosofia na educação" transforma-se em "Filosofia da Educação" enquanto reflexão rigorosa, radical e global ou de conjunto sobre os problemas educacionais. De fato, os problemas educacionais envolvem sempre os problemas da própria realidade. A Filosofia da Educação apenas não os considera em si mesmos, mas enquanto imbricados no contexto educativo. Não se pode encarar a educação a não ser como um que-fazer humano. Que-fazer, portanto, que ocorre no tempo e no espaço, entre os homens, uns com os outros. Disso, resulta que a consideração acerca da educação como um fenômeno humano nos envia a uma análise, ainda que sumária, do homem. A concepção humanista, que recusa os depósitos, a mera dissertação ou narração dos fragmentos isolados da realidade, realiza-se através de uma constante problematização do homemmundo. Seu que-fazer é problematizador, jamais dissertador ou depositor. A concepção humanista da educação é defendida por:
a) José Carlos Libâneo.
b) Antonio Joaquim Severino.
c) Carl Rogers.
d) Paulo Freire.

40. Analise as proposições das correntes filosóficas da educação:
I - Para Augusto Comte, o Positivismo é a última etapa da humanidade, que se elevou do "estágio teológico", no qual tudo se explicava de maneira mágica, e do "estágio metafísico", em que a explicação se contentava com palavras. A base teórica do positivismo apresenta três pontos: 1) Todo conhecimento do mundo material decorre dos dados "positivos" da experiência, e é somente a eles que o investigador deve se ater; 2) Existe um âmbito puramente formal, no qual se relacionam as ideias, que é o da lógica pura e o da matemática; e 3) Todo conhecimento dito "transcendente" ? a metafísica, a teologia e a especulação acrítica ? que se situe além de qualquer possibilidade de verificação prática, deverá ser descartado.
II - Concebe-se a fenomenologia como o estudo dos fenômenos em si mesmos, independentemente dos condicionamentos exteriores a eles, cuja finalidade é apreender sua essência que é a estrutura de sua significação. Na segunda metade do século XVIII, o filósofo Jean-Henri Lambert denominou a fenomenologia como a "teoria das aparências", para distinguir a aparência das coisas do que elas são em si mesmas; com Hegel, na Fenomenologia do Espírito (1807) "é a ciência da experiência que faz a consciência"; e Edmund Husserl, nas primeiras décadas do século XX, faz da fenomenologia uma meditação sobre o conhecimento, considerando que tudo que é dado à consciência é o fenômeno. Para ele, a consciência é intencional e não está fechada em si mesma, mas define-se como certa maneira de perceber o mundo e seus objetos.
III - O materialismo histórico é a aplicação da teoria de Karl Marx ao estudo da evolução histórica das sociedades humanas, pelas quais o modo de produção dos bens materiais condiciona a vida social, política e intelectual que, por sua vez, interage com a base material. Marx e Engels afirmam que a história de todas as sociedades do passado é a história da luta de classes. Nesse sentido, no decorrer do processo histórico, as relações econômicas evoluíram segundo uma contínua luta dialética entre os proprietários dos meios de produção e os trabalhadores espoliados e explorados.
IV - Para o pesquisador no materialismo histórico não há fechamentos e nem sistemas concluídos, pois estar no mundo é sempre interrogá-lo. Coloca-se em destaque as percepções dos sujeitos e, sobretudo, salienta-se o significado que os fenômenos têm para as pessoas. Assim, "o mundo não é aquilo que eu penso, mas aquilo que vivo, sou aberto ao mundo, comunico-me indubitavelmente com ele, mas não o possuo, ele é inesgotável".
Após a análise das proposições acima é CORRETO afirmar que:
a) Apenas a proposição I está incorreta.
b) Apenas a proposição II está incorreta.
c) Apenas a proposição III está incorreta.
d) Apenas a proposição IV está incorreta.

GABARITO:
21-C 31-A
22-B 32-A
23-B 33-A
24-D 34-A
25-A 35-A
26-C 36-D
27-C 37-D
28-D 38-D
29-A 39-D
30-B 40-D
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.