Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Entrevistas

  (01/Mai) Entrevistando o filósofo Eduardo Jardim
 
ENTREVISTANDO O FILÓSOFO EDUARDO JARDIM


Responsável - Will Goya


MINI-CURRÍCULO:
Eduardo Jardim de Moraes é professor de Filosofia na PUC-Rio. Fez o mestrado na PUC e o doutorado na UFRJ. Fez pós-doutorado na Alemanha.


PUBLICAÇÕES ? Alguns dos principais trabalhos publicados:
A duas vozes - Hannah Arendt e Octavio Paz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
Mário de Andrade: A Morte do Poeta. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2005.
Jardim, E. (Org.); BIGNOTTO, N. (Org.) . Hannah Arendt - dialogos, reflexões, memórias. Belo Horizonte: UFMG, 2001.
Limites do Moderno: O Pensamento Estético de Mario de Andrade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.
A Brasilidade Modernista: Sua Dimensao Filosofica. 1. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1978.


ENTREVISTA:


Professor Eduardo Jardim, o que hoje mais lhe interessa na filosofia?

Eduardo Jardim - Meus estudos, em geral, são investigações sobre o contexto contemporâneo, o momento que Hannah Arendt chamou de Mundo Moderno, distinto da Era Moderna, que se iniciou no século XVII e terminou no século XX. Desde que comecei a estudar Filosofia só isso me interessou ? compreender o que se passava. Alguns escritos meus tratam de aspectos da cultura brasileira, especialmente do Modernismo.

Pesquisei a figura e a obra do escritor modernista Mário de Andrade. Tentei entender a visão de Mário de Andrade da cultura brasileira e examinei o Modernismo como um movimento amplo de ideias que engloba a produção cultural no Brasil por quase cem anos. Entendi que a proposta do Modernismo se exauriu e tento examinar o que aconteceu depois dele, na atualidade.

Outros trabalhos que escrevi se ocuparam da obra de Hannah Arendt ? talvez a mais lúcida pensadora da política no século XX. Entrei em contato com sua obra no início dos anos oitenta, em um momento de muitas incertezas políticas e existenciais. Seu pensamento representou para mim um estímulo enorme na investigação da atualidade. Procurei trazer Hannah Arendt para o nosso meio. Cuidei da tradução de parte de sua obra, escrevi nos jornais sobre ela e muitos artigos. Tenho um livro, A duas vozes ? Hannah Arendt e Octavio Paz, ed. Civilização Brasileira, que é um diálogo inventado entre ela e o poeta mexicano Octavio Paz. Fiquei entusiasmado com essa conversa da filósofa alemã, de origem judia, de nacionalidade americana, que investigou a crise da tradição da política, com o grande poeta e ensaísta mexicano, próximo dos surrealistas, observador crítico do universo latino-americano. Por caminhos muito diferentes eles dizem coisas muito próximas, às vezes.

Estou de novo, no momento, escrevendo sobre Hannah Arendt, mas já estou pensando, quando terminar esse livro, em voltar à temática brasileira. Talvez não tenhamos uma tradição importante de Filosofia, mas a força do pensamento se manifesta em muitas áreas da nossa inteligência ? a literatura, sobretudo, mas também, alguns campos das ciências sociais, as artes, o cinema, a música popular.


Sobre o que disse, resuma para os nossos leitores qual é a dimensão filosófica da visão de Mário de Andrade da cultura brasileira, e o que ainda podemos ou precisamos aprender com ele?

Eduardo Jardim - Sob mais de um aspecto, a obra de Mário de Andrade interessa ao filósofo. Em primeiro lugar, ela é riquíssima para se visualizar o retrato-do-Brasil que os modernistas propuseram. Para os estudos de história do pensamento no Brasil, vale a pena acompanhar o modo como ele entendeu o processo de modernização como inserção do Brasil no concerto internacional, como viu a articulação entre a produção intelectual culta e a cultura popular e, como fez uma revisão de todos esses pontos em textos tardios do período final da obra.

Outro aspecto muito rico é sua reflexão sobre a arte, em textos como O artista e o artesão e no curso de filosofia e história da arte, na Universidade do Distrito Federal. São momentos em que o pensamento de Mário de Andrade se apura enormemente.


Falando em Brasil, e no mundo, como caracterizar o momento de crise de valores e de referências que estamos vivendo?

Eduardo Jardim - Acho que essa situação crítica tem duplo aspecto. De um lado, é um momento de desorientação, de perplexidade, são tempos sombrios. De outro lado, coloco a questão: será possível vislumbrar nesse cenário devastado pistas para novas experiências, que não foram ainda exploradas porque estávamos presos aos valores tradicionais? Nas conversas entre Octavio Paz e Hannah Arendt, eles descobriram o seguinte: muitos projetos das gerações anteriores foram arruinados recentemente: a revolução, as utopias sociais, a modernização, todos eles centrados numa confiança absoluta em um mundo futuro. Mas exatamente essa ruptura pode abrir o campo de inéditas experiências, centradas agora em uma valorização do Presente, na intensificação da vida presente. O ocaso do futuro levará a uma busca do presente, afirma Octavio Paz.

Quando acompanho o pensamento de Octavio Paz sobre o ocaso do futuro e de Hannah Arendt sobre a crise da tradição e da autoridade política, chamo a atenção para o fato de que os dois sentiam este momento como de desamparo, mas também como de liberação. Liberação para a intensificação da experiência do presente. Hannah Arendt fala da liberdade como razão de ser da política, insiste na sua indeterminação e espontaneidade; Octavio Paz vê na poesia e na experiência amorosa esta valorização do presente.


Com o fim do futuro e a intensificação do presente o homem moderno mudou sua forma de agir no mundo, abandonando a téchne dos antigos gregos, que era uma visão de arte e vida, para inventar a "técnica" mecânica, independente e descompromissada com os valores humanos. Como você analisa isso?

Eduardo Jardim - Acho Heidegger um filósofo da maior importância. O tema que me parece mais relevante de investigar na sua obra é o da técnica. Heidegger apresenta possibilidades muito ricas de entender nosso mundo ? o da civilização técnico-científica. Ele ensina que temos que estar muito atentos, que é preciso ter os olhos livres dos preconceitos tradicionais, para entender o cenário contemporâneo e a técnica atual que é completamente nova. Não podemos escapar desse seu apelo à reflexão! Às vezes parece que somos tragados por tudo que vem acontecendo e acabamos aderindo a um modo de pensar submetido a critérios técnicos ? uma forma de pensar que é só cálculo. Mas ele nos ensina uma potente disciplina do pensamento, uma espécie de contenção do pensamento, que é o único recurso que temos para resistir à voracidade da técnica.


Sobre essa questão do tempo, para H. Arendt, o homem antigo, cônscio da morte pessoal, encontrava na vida pública uma forma de eternidade: morreria o indivíduo, mas não os seus feitos históricos, porque coletivos. No capitalismo consumista, mecanizado e tecnicista dos nossos dias, e com a perda quase que total da consciência política, da vida e dos valores públicos, os indivíduos vivem como se fossem eternos, em contínuo imediatismo. Pergunto-lhe: como reverter nos homens de hoje a sua noção de tempo, recuperando sua consciência da morte privada e da imortalidade pública?

Eduardo Jardim - Não se tem mais nenhuma perspectiva de imortalidade. Nem do homem individual, nem da espécie humana, nem da alma do homem. Pensa-se que até mesmo o mundo natural está engolfado em um movimento incessante. Há ainda a ameaça de uma catástrofe de que a própria humanidade seria responsável. Penso que o homem não se preocupa com a imortalidade, mas com a sobrevivência, e até disso ele não está muito certo.


Além dos desafios do tecnicismo moderno, como o senhor vê a liberdade do indivíduo na política contemporânea e mais especificamente, os problemas políticos que afligem o povo brasileiro?

Eduardo Jardim - O problema da política é o da liberdade. No Brasil, como em geral, a liberdade é vista na perspectiva liberal como liberdade negativa. A política é concebida como administração, isto é, como uma tarefa técnica. Desconfia-se da política a partir de pressupostos morais. Vê-se ainda a política subordinada à questão social. Em todas essas visões não se considera a dignidade da política.

A maneira como hoje se concebe o que é política merece especial atenção. Primeiro aspecto a se discutir: a liberdade é vista hoje apenas negativamente, como ausência de constrangimentos, como algo privado e individual. Seria preciso recuperar o sentido positivo de liberdade: como iniciativa, como ação, como um exercício de participação pública e coletiva. Segundo aspecto: a política é, em geral, vista como um meio para alcançar objetivos situados fora dela; ela deixou de ter um sentido e passou a ser um mero instrumento. Seria preciso chamar a atenção para o fato de que um aspecto central da vida humana ? a experiência do convívio, da alegria do convívio entre os homens ? se perde nesta perspectiva. Terceiro aspecto a se considerar: a redução da política à moral. Muitas pessoas acham que é preciso submeter os assuntos políticos à moral. Deve-se reagir a essa posição e distinguir dois campos da experiência, a moral e a política, na linha adotada por Maquiavel em O Príncipe. Então seria possível falar de dignidade da política. Outro aspecto ainda precisaria ser discutido: a associação de política e violência. Nada menos político que a violência. Toda vez que a violência se impõe à política, esta desaparece. Um esforço reflexivo seria necessário para entender a natureza da violência em contraste com a experiência política.



     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.