Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Filosofia para crianças

FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E FILOSOFIA CLÍNICA: A relação entre Comunidade de Investigação e Procedimento Filosófico Clínico.
Ao trabalhar com filosofia em sala de aula, utilizando o pressuposto pedagógico Lipmaniano, constatamos certas mudanças comportamentais por parte das crianças desde o primeiro contato com a nova metodologia. Podemos citar a aproximação física, frequência da expressividade, maior contato auditivo e visual de uns com os outros durante a comunidade investigativa.

A partir do contato com o método filosófico clínico é que aprendemos a observar com mais clareza e respeitarmos a singularidade dos alunos, buscando conhecer cada Estrutura de Pensamento ou do grupo, nos interessando pelas historicidades contadas pelos pais e coordenadores pedagógicos que conhecem as crianças.

Então, passamos a observar as didáticas aplicadas em Filosofia para Crianças e seu pressuposto pedagógico, com outras perspectivas, comparando-as por semelhanças aos procedimentos aplicados em Filosofia Clínica e evidenciamos as seguintes relações:

1º Em Filosofia clínica e no programa de Filosofia para crianças não há tipologia;

2º Evitar imposições e rótulos;

3º O filósofo clínico e o professor em comunidade de investigação usam agendamento mínimo( quer dizer que estes profissionais ouvem com atenção e falam o mínimo para não interferir ou direcionar a fala da pessoa que partilha);

4º Existe aproximação entre as pessoas a partir da redistribuição dos móveis no ambiente;

5º O partilhante e o aluno são respectivamente participantes ativos no processo de trabalho.

6º O Professor e o Filósofo clínico sabem que nada sabem de tudo que sabem e não dão respostas prontas (Livre Adaptação. Aiub, Mônica);

7º Todos são investigadores em sala de aula e no consultório clínico;

8º Trabalham com princípio dialógico via interseção;

9º Elaborar regras por combinados;

10º Compartilhar experiência, pesquisa, conhecimento, descoberta;

11º Fazer autocorreção e reconhecer a falibilidade;

12º converter a competitividade em cooperatividade;

13º Avaliação Diferenciada, respeitando a singularidade, potencializando a capacidade progressiva de produção intelectual.

A relação entre Filosofia para Crianças e Filosofia Clínica transcende as características teórico-práticas, pois pode abranger âmbitos procedimentais,atitunais e, portanto, ético.
 
       

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.