Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Jean-Jacques Rousseau (1712 - 1778)

Em grande parte de sua filosofia Rousseau propõe que o homem deve fazer um caminho de retorno à natureza, mas não um retorno ao seu primitivismo animal e rude, mas um retorno ao seu Estado Natural, que é o saber viver originário e feliz conforme nossas necessidades inatas. Essas necessidades inatas foram corrompidas pela civilização, pelo intelectualismo e pelos comportamentos artificiais que a sociedade impõe aos indivíduos. As produções da arte e da cultura fazem com que esqueçamos nossos reais deveres enquanto seres humanos e descuidemos das nossas necessidades naturais inerentes. Os refinamentos sociais, as mentiras convenientes e aceitas pela comunidade, o exibicionismo intelectual, a suntuosidade cultural e a vaidosa busca pela estima e simpatia das outras pessoas, são abusos que fazem com que percamos nossa capacidade de reconhecer e julgar valores humanos mais profundos, como a virtude.
O homem natural busca simplesmente satisfazer suas necessidades como sexo, alimentação e autopreservação sem se angustiar frente à morte. Quando age de forma agressiva, não o faz de forma desnecessária ou com crueldade, pois tem em si um sentimento natural de piedade para com os outros seres da natureza. Esse homem tem a capacidade de tomar as próprias decisões seguindo o próprio discernimento e a habilidade de buscar a perfeição.
O homem natural atinge a plenitude de suas capacidades quando passa a viver em pequenos grupos familiares e em pequenas comunidades, mas começa a se degenerar, a perder as suas características originais, quando alguns dentre eles criam a propriedade privada, e outros acreditam nela.
Para Rousseau, retornar à natureza não significa destruir a sociedade, pois a sociedade permite o nosso desenvolvimento mais rápido e amplia as nossas perspectivas intelectuais. Retornar à natureza significa ir em busca dos princípios mais profundos da nossa humanidade.
A razão faz o homem sair de si mesmo, mas os sentimentos faz com que ele conheça a sua interioridade, a sua essência e a sua consciência natural. Nessa interioridade é que a natureza se revela pois ela está dentro de nós como um essencial senso vital.
O homem é naturalmente bom, para evitarmos que ele se torne mau e possibilitarmos o desenvolvimento das suas potencialidades naturais temos que usar a educação. A educação para Rousseau é um processo gradativo e tem que se adequar às necessidades do desenvolvimento humano de cada indivíduo. Primeiro temos que desenvolver e aperfeiçoar os sentidos das crianças, pois inicialmente elas têm necessidades físicas. Nessa fase os ensinamentos devem ser feitos por meio da interação com os objetos. Dessa forma a criança torna-se autossuficiente, livre e sem necessidade de artificialidades. Nesse estágio não se deve estimular a imaginação na criança, pois isso trará angústias quanto ao futuro e consequentemente à infelicidade dela.
O segundo passo na educação somente pode ser dado quando o indivíduo tomar consciência de como são as suas relações com os seus semelhantes, a partir de então podemos trabalhar com pedagogia e passar a ensinar como funciona a sociedade e sua organização científica, cultural e política.
Outro conceito importante para Rousseau é o de liberdade que pode ser entendido ao mesmo tempo como um direito e um dever, pois nascemos livres e a liberdade nos pertence, quem renuncia à liberdade renuncia a sua condição humana. A liberdade é um direito que não podemos transferir para outra pessoa, nem podemos tomar de outrem a sua liberdade. A liberdade assim vista é um valor humano fundamental e incontestável. É na liberdade que a humanidade se revela universal. É na liberdade que eu amo a mim mesmo e a humanidade, é na liberdade que vou distinguir as características da minha vontade individual e identificá-la com a vontade geral da humanidade. É dessa forma que um cidadão pode identificar-se com outro e se perceberem participantes de uma mesma pátria, fugindo assim do individualismo.
Quando o indivíduo identifica a sua vontade com a vontade de sua pátria passa a existir um Contrato Social, que é quando esses indivíduos se unem de forma livre para formarem uma sociedade, à qual prestam obediência com consideração e respeito.

Sentenças:
- Dinheiro que possuímos é instrumento de liberdade, dinheiro que perseguimos é instrumento de escravidão.
- O primeiro homem que disse Isso é meu, fundou a sociedade.
- Não vivemos para viver, mas para fazer parecer que vivemos.
- Viver não é respirar, é agir.
- Quanto mais crimes, maior a decadência de uma sociedade.
- Uns precisam de assas, outros de correntes.
- O cultivo endireita as plantas, a educação endireita os homens.
- A consciência é o instinto divino.
- O homem é naturalmente bom, a sociedade o corrompe.
- A juventude deve estudar a sabedoria, a velhice praticá-la.
- A paciência é amarga, mas seu fruto é doce.
- O único comportamento que devemos ensinar às crianças é que nunca se submetam a nenhum.
- A injúria é a razão de quem tem culpa.
- Um bom pai vale por cem professores.
- A fé é uma questão de geografia.
- O homem nasce livre, e em todo lugar é posto a ferros.
- A única instituição natural é a Família.

Jean-Jacques Rousseau

 

Responsável: Arildo Luiz Marconatto

 



Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.