Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Étienne Bonnot de Condillac (1715 - 1780)

Condillac desenvolveu uma teoria do conhecimento baseada no empirismo onde as sensações são o principal instrumento que nos permitem conhecer. Este filósofo formulou os fundamentos da teoria do conhecimento na época do iluminismo.

Para ele, entendermos o complexo sistema de conhecimento exige que estudemos nossos sentidos de forma separada, somente dessa forma vamos conseguir perceber quais sentidos originam quais ideias. É preciso ainda analisar a forma como exercitamos cada um dos nossos sentidos e como cada um deles ajuda, assessora e socorre os outros.

O resultado dessas pesquisas nos mostraria que a nossa consciência e os pensamentos que a formam é o resultado puro e elementar da alteração das nossas sensações mais básicas.

Para tornar sua teoria mais visual, Condillac desenvolve o exercício imaginativo de representação de uma estátua como se fosse um ser humano sem nenhum dos sentidos, primeiro se dá a essa estátua o sentido do olfato, que é o mais fraco dos nossos sentidos, ao sentir os primeiros cheiros eles despertariam total atenção da estátua e os diversos cheiros sentidos por ela seriam classificados entre bons ou ruins, entre os que causam prazer ou dor. Os odores seriam o único parâmetro para a organização dos pensamentos dessa estátua, que passariam a surgir tendo por único padrão o olfato.

Para auxiliar suas operações mentais a estátua desenvolveria a memória que é a consequência da maior ou menor atenção que essa estátua der à sua sensação olfativa.

Após memorizar algumas sensações o passo seguinte seria comparar uma sensação com a outra, dessa comparação entre duas ou mais memórias de sensações surgiriam os primeiros juízos. Nossa mente vai guardando e acumulando esses juízos de forma regular e esses juízos conservados seriam a base das relações de ideias.

Comparando as sensações através da memória e dos juízos dessas memórias a nossa estátua já teria a condição de desenvolver seus primeiros desejos e esses conduziriam, definiriam e animariam a memória e a fantasia, de onde nascem as paixões.

Os outros sentidos agiriam na estátua de forma semelhante, mas cada um com suas especificidades e quando essa estátua tiver todos os sentidos desenvolvidos e analisados podemos ter uma visão mais completa de como conhecemos.

Assim sendo não existe diferença entre sentir e refletir e as nossas sensações são o que definem a evolução do nosso funcionamento mental.

Em metafísica Condillac distingue duas espécies: uma audaciosa que quer compreender todos os mistérios como os da natureza, da essência dos seres e todos os princípios mais desconhecidos; e uma mais moderada e sóbria que busca entender as fragilidades e profundezas da alma humana.

Sobre a alma humana Condillac assegura que ela é separada e diferente do corpo e que o corpo é a causa da formação e mudanças ocorridas na alma.

A linguagem é, segundo Condillac, a nossa mais desenvolvida capacidade cognitiva. A linguagem é o elo entre as nossas mais diferentes sensações pois os signos e símbolos que representam as sensações, quando se ligam entre si formam a linguagem. A linguagem são os símbolos e signos organizados de forma mais ou menos lógica e é através da linguagem que concretizamos de vez o conhecimento.

Uma ciência perfeita exigiria uma linguagem perfeita, e quanto mais da perfeição se aproximar a linguagem das ciências, mais perfeita e verdadeira será essa ciência. Mas para que a linguagem da ciência seja perfeita temos que eliminar dela toda ambiguidade, em ciência não podem existir segundas interpretações e cada ciência tem que ter uma linguagem própria pois cada ciência tem os seus métodos e objetos de pesquisa próprios. A linguagem matemática é um bom exemplo de linguagem científica, que tem ainda que ser simples, formal, exata e tem que encontrar referencial na realidade.

 

Sentenças:

- Todos os nossos conhecimentos vem dos sentidos.

- Mesmo o menor passo é difícil em filosofia.

- A razão é o conhecimento de como dirigir as atividades da nossa alma.

- Aprovamos nosso comportamento com tanta certeza como que criticamos o dos outros.

- Muitas vezes o filósofo fala da verdade sem a conhecer.

 

Étienne Bonnot de Condillac

 

Responsável: Arildo Luiz Marconatto



Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.