Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Herbert Spencer (1820 - 1903)

Desenvolveu uma teoria evolutiva que tenta expor o progresso metafísico do universo com um devir otimista. Acreditava que não podemos conhecer a realidade última do universo, pois ele é um mistério, e tanto a religião como a ciência tentam desvendar esse mistério. As religiões, através de seus dogmas, formulam teorias a priori para tornar inteligível os mistérios do universo, e a ciência, por mais que progrida e formule leis e generalidades mais amplas e mais esclarecedoras, vai cada vez mais aprofundando a inexplicabilidade daquilo que permanece inexplicável. Nesse aspecto, religião e ciência se aproximam e buscam objetivos parecidos, mas com processos diferentes.
O cientista se vê cercado por mudanças perpétuas que não vai poder nunca descobrir o começo e o fim, e percebe, dessa forma, que nada pode ser conhecido em sua essência última. Haverá sempre uma explicação a explicar e a realidade última não pode ser conhecida.
As religiões buscam interpretar constantemente o mistério do universo e a ciência acumula cada vez mais conhecimentos relativos e parciais acerca dele, e por isso tanto uma como a outra demonstram que o absoluto existe, pois se não existisse o absoluto não faria sentido a busca pelos conhecimentos relativos. Nesse sentido religião e ciência podem ser conciliáveis, mas a religião busca manter vivo o mistério e a ciência busca cada vez mais conhece-lo.
Spencer acreditava que nenhuma religião é verdadeira, mas todas fazem uma imagem tênue da verdade absoluta e que com o tempo as diferenças entre religião e ciência tendem a diminuir. Religião e ciência estão ligadas como polos positivos e negativos do pensamento, se uma cresce em intensidade, cresce também a intensidade da outra.
A filosofia para Spencer é a ciência que busca a generalidade mais elevada e os princípios primeiros, nela o conhecimento é levado ao extremo. É na filosofia que todos os conhecimentos existentes se unificam.
A ciência tem três princípios básicos: 1 - A matéria é indestrutível; 2 - O movimento é contínuo; 3 - A força é persistente. A matéria é distribuída através de um movimento contínuo e o repouso absoluto não existe. Todo objeto sofre constantemente e a todo momento mudanças de estado e a lei que rege essas mudanças é a lei da evolução do universo.
A evolução tem três particularidades, a primeira é a mudança de um estado menos lógico e coerente para um estado mais lógico e coerente, a segunda é a mudança evolutiva de um estado homogêneo para um estado heterogêneo, a terceira é a mudança do indefinido para o definido. Essas leis valem tanto para os seres vivos como para qualquer realidade, como a da linguagem, das artes ou das civilizações.
A evolução é necessária, progressiva e busca o equilíbrio, no caso dos homens a evolução vai nos levar à perfeição e à felicidade. Sustentava ainda - antes de Darwin - que a vida é a adaptação dos organismos aos desafios do ambiente, e a adaptação se dá através da diferenciação dos órgãos dos organismos, e essa diferenciação vai favorecer o organismo mais conveniente. Acreditava ainda que essas mudanças eram transmitidas por hereditariedade e que a vida surgiu de uma massa inorgânica indiferenciada, mas com capacidade de se organizar.
Para Spencer existem elementos a priori na consciência humana, mas esses elementos são a posteriori para a espécie, ou seja, determinados comportamentos constantes e uniformes encontrados nos indivíduos, como a busca pela alimentação, são o resultado da experiência preservada no desenvolvimento da espécie e transmitidas por hereditariedade através da estrutura neuronal.
Em seus escritos sociológicos defendeu que a sociedade existe para o indivíduo e as sociedades se desenvolvem através da realização dos indivíduos a ela pertencente.
Os valores morais são instrumentos de adaptação do homem às condições em que está vivendo e são também comportamentos, regras e experiências selecionadas pela evolução e transmitidas hereditariamente, como proteger a família e transmitir conhecimentos para os filhos.

Sentenças:
- No casamento se coloca uma aliança no dedo da mulher e outra no nariz do homem.
- O progresso não é um acidente, mas uma necessidade.
- A civilização é um produto da natureza.
- O que não extingue a raça humana, passa a fazer parte dela.
- A opinião é determinada pelos sentimentos e não pelo intelecto.
- O mais apto sobrevive.
- A ciência é conhecimento organizado.
- Não existe exceção nas regras da natureza.
- Ninguém pode ser perfeitamente livre até que todos sejam.
- Ninguém pode ser completamente moral até que todos sejam.
- Ninguém pode ser totalmente feliz até que todos sejam.

Herbert Spencer

Responsável: Arildo Luiz Marconatto



Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2019 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.