Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Arthur Schopenhauer (1788 - 1860)

A filosofia de Schopenhauer inicia como oposição e crítica à filosofia de Hegel, ele acreditava que os pensamentos de Hegel tinham se tornados oficiais e estatais e defendiam interesses pessoais, não buscando mais a verdade.
O mundo é representação minha. Dessa forma inicia-se a principal linha de pensamento de Schopenhauer. Nós não conhecemos o mundo como ele realmente é, somente temos instrumentos sensoriais que nos mostram o mundo dentro das suas capacidades perceptivas. O mundo é uma construção nossa, é uma representação nossa. O conhecimento é a relação entre o sujeito e o objeto, dessa relação surge a representação. Nós não podemos sair de nós mesmos para ver como o mundo realmente é.
Para que a representação exista é necessária a relação entre o sujeito e o objeto, dessa relação o sujeito é a parte que conhece, é ele que sustenta o fenômeno da representação e do conhecer. O objeto é o que é conhecido e está condicionado pelo espaço e pelo tempo, ao contrário do sujeito que está fora do espaço e do tempo. Não podemos separar sujeito de objeto nem mesmo no pensamento, pois o sujeito não tem sentido sem o objeto e o objeto não tem sentido sem o sujeito, um vive e existe em função do outro.
O objeto não existe sem o sujeito, como querem os materialistas, e o sujeito não existe sem o objeto, como desejam os idealistas. A objetividade existe na consciência dos sujeitos como representação e é condicionada pelo sujeito conforme suas formas de representar. O mundo como o percebemos é um conjunto de representações dependentes da consciência, do espaço e do tempo.
Para criar a representação do mundo, nosso intelecto organiza as formas a priori do tempo e o espaço utilizando a categoria da causalidade. A causalidade não é somente a sucessão no tempo, mas é a ligação de determinado tempo em determinado espaço simultaneamente, e ambos não podem ser separados.
Schopenhauer acredita que existam quatro princípios da causalidade que vão determinar como podemos conhecer o mundo: 1 - Devir, é a causalidade entre objetos naturais, expressa pela física; 2 - Conhecer, é a relação entre as premissas que leva à conclusões consideradas verdadeiras, expressa pela lógica. 3 - Ser, é a relação entre o espaço e o tempo, expressa pela matemática. 4 - Agir, é a relação entre a motivação e a ação, expressa pela moral. Essas quatro formas vão estruturar todas as nossas representações.
O mundo como representação é um fenômeno, e o fenômeno é uma percepção deformada do objeto que cobre a essência da realidade, realidade essa que pode ser alcançada pela vontade, e a vontade é a representação que fazemos do nosso corpo, e o corpo é o objeto imediato da nossa consciência. A vontade é onde não podemos mais diferenciar de forma transparente o sujeito do objeto, a vontade é a essência do nosso ser, e ela se manifesta na racionalidade do homem.
A vontade é a essência do mundo e é conflito que leva à dor causada pela força contínua opositora entre as vontades do mundo. A vontade nasce do descontentamento do próprio estado e é um sofrimento enquanto não é satisfeita, mas mesmo que satisfeita a satisfação não dura e a vontade satisfeita se inclina para um novo estado de descontentamento, em um processo de geração de vontades infinito, sendo também infinita a dor e o sofrimento gerados nesse processo.
Essa cadeia de geração de vontade e sofrimento só pode ser superada através da arte. Na experiência estética o homem se anula como vontade esquecendo-se de si mesmo e do seu sofrimento.

Sentenças:
- A vida é luta contínua pela existência, com a certeza da derrota final.
- A vida é um velejar em direção ao naufrágio.
- A vida é necessidade e dor.
- A vida oscila entre a dor e o tédio.
- Dos sete dias da semana, seis são de dor e necessidade e um é de tédio.
- O homem é o único animal que faz os outros sofrerem só para os ver sofrer.
- O homem sente prazer com o mal alheio.
- Na vida humana a infelicidade é a regra.
- A vida é esmola que prolonga a vida para seguirmos no tormento.
- A história é acaso cego e o progresso é ilusão.


Arthur Schopenhauer

Responsável: Arildo Luiz Marconatto



Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2018 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.