Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Ludwig Feuerbach (1804 - 1872)

De forma geral podemos dizer que Feuerbach, em sua filosofia, converte a teologia e a religião em uma antropologia. Nesse contexto, o papel da filosofia não é o de zombar ou desprezar a religião ou a teologia, pois ambas são um grande e importante fenômeno humano, e como tal tem que ser respeitadas. Mas mais que respeitadas a religião e a teologia tem que ser compreendidas.
Para compreendermos a crença dos homens em um Deus temos que compreender que a consciência que o homem tem de Deus é a consciência que o homem tem de si mesmo. Deus é a expressão do que mais de profundo existe no ser humano, e somente isso.
Teologia é antropologia e todos os discursos sobre os Deuses são discursos sobre o ser humano, suas capacidades, frustrações e projeções.
A natureza é dura com os humanos e os nossos sofrimentos não são ouvidos pela natureza, e necessitamos ser ouvidos, acalentados, compreendidos, e como a natureza não nos ouve, acalenta o compreende, nós buscamos tudo isso em algo fora de nós e fora da natureza, em um Deus.
Nós construímos Deuses para que eles sejam o que não somos, construímos Deuses para explicar o que não explicamos, ser o que não somos e poder o que não podemos. E em relação com esse Deus, que é o que não somos, podemos, de alguma forma, também ser o que percebemos não poder ser. Em Deus nós projetamos a nossa essência e projetamos o que não conseguimos ser em essência. Nas palavras de Feuerbach, Deus é o espelho do homem.
A religião, para Feuerbach, é um acontecimento completamente humano e para compreendermos o humano em sua profundidade temos que conhecer as religiões também com profundidade. O mistério humano vai ser desvendado pelo mistério divino, mas não o humano como criação do divino, e sim o divino como criação do humano, pois não é Deus que cria o homem e sua condição, mas o homem que cria Deus e suas condições. O espírito divino é a abstração do espírito humano.
A filosofia de Feuerbach é humanista com grande profundidade, pois busca transformar a dependência que os homens têm de Deus em uma compreensão que o homem pode ter de si mesmo. Como exemplo ele coloca que a moral e o respeito que temos que ter com os Deuses, é a projeção da moral e do respeito que os homens têm que ter com os outros humanos.
O homem de Feuerbach não é um homem abstrato, mas um homem real, inserido em uma natureza, com um corpo sensível e com necessidades próprias. Esse homem concreto é, em grande parte, o oposto do homem idealista hegeliano. Esse homem concreto e real é que cria os Deuses nos quais projeta a sua natureza, sua corporeidade, sensibilidade e necessidade.
O homem coloca em Deus as qualidades, desejos e aspirações que não consegue realizar em si próprio. O homem percebe que não sabe tudo e projeta em Deus a onisciência que não tem. O homem é limitado em seus poderes e projeta em Deus a onipotência que não tem. O homem é limitado em seu tempo e espaço e projeta em Deus onipresente a temporalidade e espacialidade que não tem. O mesmo evento ocorre com a transcendência, eternidade, imutabilidade e santidade de Deus, que são todos atributos que o homem deseja para si, mas como não alcança, projeta em Deus e se faz dependente dele.
A religião, relação humana com o divino por ele próprio criado, é a relação do homem com a sua própria essência, mas como essência de Deus. A relação do homem com Deus é portanto falsa, pois o homem alienado, no fundo, tenta relacionar-se consigo. A oração que os homens dedicam a Deus é a oração que os homens dedicam a si próprios. A religião é humana, totalmente, essencialmente e profundamente humana.
Os princípios divinos são princípios humanos. O valor divino é do mesmo tamanho do valor humano que o criou. Para conhecer profundamente o humano, conheça profundamente o seu Deus, Deus revela a essência humana que o homem projetou nele.
A moral de Feuerbach inverte os papéis e objetivos, a moral religiosa aconselha o amor a Deus, Feuerbach aconselha que o amor do homem deva ser direcionado ao homem e em nome do homem.

Sentenças:
- Quando a moral se baseia na teologia, as coisas mais imorais e injustas podem ser justificadas e impostas.
- O homem é aquilo que come.
- As característica de Deus são as características do homem.
- As religiões nos diferenciam dos animais.
- Os princípios e pensamentos do homem são os princípios e pensamentos de seu Deus.
- O homem vale tanto quanto seu Deus.
- A religião é a infância da humanidade.
- O verdadeiro ateu é o que não acredita no homem.
- O homem afirma em Deus o que nega em si mesmo.
- Deus é a medida da tua inteligência.
- O homem criou Deus à sua própria imagem.
- O coração de Deus é o coração do homem.
- O Deus que se revela na natureza é a natureza mesmo se revelando.
- A unidade é estéril, o dualismo é fecundo.


Ludwig Feuerbach (1804 - 1872)

Responsável: Arildo Luiz Marconatto



Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.