Você está em Material de apoio > Biografias

MICHEL ONFRAY

MICHEL ONFRAY é um filósofo francês. Nasceu em 1959, em Argentan, no seio de uma família de agricultores normandos. Doutorado em Filosofia, lecionou no ensino secundário durante 20 anos. Em 2002, fundou a Universidade Popular de Caen, uma universidade gratuita, cuja concepção assenta nos princípios do seu manifesto La communauté philosophique. Os seus escritos celebram o hedonismo, a razão e o ateísmo.
Tem publicado mais de trinta obras traduzidas a mais de quinze línguas e seu pensamento, fundamentado numa recuperação crítica das margens hedonistas, materialistas e radicalmente ateus da história da filosofia, converteu-se num discurso referencial de nossa época. Recentemente, Onfray publicou seu Tratado de ateología, que na França vendeu quase 200.000 cópias. A mesma editorial tem publicado já os dois primeiros volumes de outro importante projeto filosófico do autor: A contra-historia da filosofia.

Dentro da tradição do século 19, o filósofo Michel Onfray fundou, em 2002, uma a Universidade Popular de Caen, com o objetivo de democratizar a cultura, proporcionando gratuitamente o saber para o maior número possível de pessoas - um novo Jardim de Epicuro, mas fora das paredes, lançando as bases para uma autêntica "comunidade filosófica" contra o mercantilismo dos saberes. Dentro da lógica de Michel Onfray, a universidade popular se inspira na universidade tradicional (qualidade das informações, progressão pessoal, transmissão de um conteúdo antes de todo debate). O que justifica seu interesse pelo século 19, esta no objetivo de atingir o maior número de pessoas, que não precisariam fazer exames para poder vir ao encontro do saber e não pagavam nada para ter acesso ao conhecimento. Foi um pouco nesse espírito que ele veio criar o seu projeto. Quanto ao povo, acha que seria preciso defini-lo hoje como aquele que não exerce o poder, mas sobre o qual o poder é exercido. São pessoas privadas do saber de uma maneira geral.

Contudo, seu projeto conserva do café filosófico à abertura para todos os públicos, a utilização crítica dos saberes e a prática do diálogo. A fórmula precisa respeitar determinados critérios: os docentes são benévolos; as aulas são gratuitas; os participantes totalmente livres. Participa quem quer, sem precisar se inscrever previamente, sem condições de idade ou de diploma, e sem precisar submeter-se a um controle dos conhecimentos.

Os fãs o consideram um sucessor de Michel Foucault (1926-1984), o mais influente filósofo francês do século passado. Em seus livros, Onfray propõe o que chama de "projeto hedonista ético", em que defende o direito do ser humano ao prazer. Uma de suas obras, A Escultura de Si, ganhou em 1993 o Prêmio Médicis, o mais importante da França para jovens autores.

Atualmente, o filósofo frances, aos 51 anos dedica-se a sua produção filosófica e ao seu projeto educacional, pois segundo o próprio filósofo, os direitos autorais o possíbilita a ficar afastado da educação institucionalizada para se dar por inteiro a Universidade Popular de Caen e as aulas de contra-história da filosofia que atraem público de toda a França.

Como referenciar: "MICHEL ONFRAY " em Só Filosofia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2019. Consultado em 16/07/2019 às 03:12. Disponível na Internet em http://filosofia.com.br/bio_popup.php?id=69